Coelhinho da Páscoa o que trazes para mim?… [Coelho de Biscoito com Chocolate]

As crianças – e muitos adultos! – sempre aguardam ansiosas pela chegada da Páscoa. Pensando nisso, o açúcar União preparou um divertido passo a passo para quem quer usar a criatividade na hora de celebrar esse momento. Os biscoitinhos em formato de coelho, segurando um ovo de chocolate, além de deliciosos, são perfeitos para presentear, decorar a mesa ou para uma atividade lúdica com os pequenos.

Coelho de Biscoito com Mini Ovos de Chocolate (15 unidades)

IMG_20160324_160941

Ingredientes

½ xícara (chá) de manteiga (90g)

¾ xícara (chá) de açúcar refinado UNIÃO (120g)

1 ovo (120g)

3 xícaras (chá) de farinha de trigo (330g)

1 colher (chá) de fermento em pó (4g)

1 colher (chá) de essência de baunilha (5ml)

Montagem

100g de chocolate ao leite derretido

Confeitos coloridos

15 Mini ovos de chocolate

Modo de preparo

Em uma tigela, misture a manteiga com o açúcar refinado UNIÃO até formar um creme homogêneo. Junte os ovos e misture bem. Acrescente a farinha de trigo, o fermento, a baunilha e amasse formando uma bola. Embale em filme plástico e deixe descansar na geladeira por 30 minutos. Com o auxilio de um rolo, abra a massa entre 2 folhas de plástico próprio para alimentos até obter a espessura de 0,5 cm e corte com um cortador em formato de coelho. Faça tiras de papel alumínio e encaixe embaixo de cada coelho na altura dos braços, prenda as pontas formando um circulo, de forma que os braços fiquem levantados. Asse em forno preaquecido a 180°C por 20 minutos ou até dourar. Espere esfriar, retire as fitas de papel alumínio com cuidado e reserve.

image-2

Montagem

Com um palito de dente, faça o rosto do coelho usando o chocolate derretido. Use um confeito colorido para formar o nariz e com um pouco de chocolate, cole 1 mini ovo no centro dos braços do coelho. Espere o chocolate endurecer e sirva em seguida.

DICAS

  1. Se desejar, faça uma base redonda ou retangular com a massa de biscoito e cole o coelho com glacê real verde formando uma grama, decore com confeitos coloridos e sirva em seguida.
  2. Você pode substituir a baunilha por 1 colher (sopa) de raspas de laranja ou limão.

Páscoa no #ColetivoGastronômico [Cestinhas de Parmesão com Salada Cremosa de Camarão]

Já estamos na semana da Páscoa e você ainda não se decidiu o que vai preparar para celebrar esta data tão especial?

Eu sempre gostei de comemorar a Páscoa com o bacalhau na sexta-feira e uma bela Paleta de Pernil ou Cordeiro no domingo. Estas foram as minhas sugestões do ano passado – Confit de Bacalhau e Costeletas de Cordeiro. Mas sempre derrapo nas entradas e sobremesas. Para isso o #ColetivoGastronômico resolveu montar uma sugestão de cardápio bem bacana para quem quer fugir do trivial mas ainda ter uma mesa farta, deliciosa e com pouco trabalho. São sugestões de entradas, pratos principais e sobremesas de dar água na boca!

Eu optei por passar para vocês uma receita de entrada que é super elegante, mas bem fácil de fazer. Só as cestinhas de parmesão vão tomar um pouco mais de tempo. A salada é quase só misturar os ingredientes.

Há um truque bem bacana para deixar os camarões super tenros e nada borrachudos. Sabe aquele coquetel de camarão que você comeu um dia e nunca mais esqueceu? Então! Fui atrás de muita pesquisa e descobri o pulo do gato. Na verdade são dois truques: o primeiro é deixar o camarão descansar por 30 minutos numa mistura de sal e bicarbonato. Esta mistura ajuda a deixá-lo mais tenro e suculento

O segundo é inverter o processo de cozimento. Ao invés de colocá-los em água fervente para cozinhar, vamos começar com água fria e deixar que ferva com os camarões já na panela até que fiquem rosados!

Vamos, então, transformar estes truques fisio-quimícos em uma deliciosa salada para seu feriado de Páscoa!

Cestinhas de Parmesão com Salada Cremosa de Camarão (Serve 8)

Elegante e fácil de preparar esta entrada lhe renderá muitos elogios

Elegante e fácil de preparar esta entrada lhe renderá muitos elogios

Ingredientes:

2 xícaras de queijo parmesão ralado fino (use um queijo parmesão duro. Não caia na tentação de usar um queijo “tipo” parmesão, pois ficará “puxa” e não crocante)

450g de camarões descascados e limpos

1/2 colher de chá de sal

1/4 colher de chá de bicarbonato de sódio

1 cebola roxa média picada

3 colheres de sopa de suco de limão (eu usei siciliano)

1 talo médio de salsão picado

1/2 xícara de creme azedo (aqui ensino como fazer)

1/2 xícara de maionese (eu usei maionese caseira)

1 colher de sopa de salsa fresca picada

1 colher de sopa de dill fresco picado

1 colher de sopa de cebolinha picada

sal e pimenta do reino, o quanto baste

Com uma faquinha faça um corte nas "costas" do camarão e com a ajuda de um palito de dentes retire a tripa lavando-o em seguida, antes de prepará-lo.

Com uma faquinha faça um corte nas “costas” do camarão e com a ajuda de um palito de dentes retire a tripa lavando-o em seguida, antes de prepará-lo.

Modo de Preparo:

Em uma tigela média, misture o camarão, o sal e o  bicarbonato de sódio e misture bem. Leve à geladeira por, pelo menos, 30 minutos até 1 hora. Em outra tigela misture cebola e suco de limão e reserve na geladeira até o momento de montar a salada.

Enquanto o camarão descansa prepare as cestinhas de parmesão.

Coloque uma quantidade de aproximadamente 4 colheres de sopa de queijo parmesão em uma frigideira pequena, anti-aderente e leve ao fogo alto para derreter. Assim que as bordas começarem a dourar, com a ajuda de uma espátula levante as bordas e retire a “rendinha de queijo” com bastante cuidado para não se queimar. Verta sobre um copo virado de boca para baixo para dar o formato da cestinha. Com a ajuda de um pano de prato limpo, pressione o queijo ao redor do copo, com cuidado para não quebrar, e deixe esfriar. Escolha um copo de acordo com o tamanho do fundo da cesta que você deseja preparar. Para esta entrada eu utilizei um copo com o fundo de 4 cm.

Deixe o queijo derreter e as bordar ficarem douradas antes de retirar .

Deixe o queijo derreter e as bordar ficarem douradas antes de retirar .

Pascoa5

Cuidado para não deixar muitos “furos” na cestinha e não vazar o recheio! 😉

Passado o tempo de descanso do camarão encha uma tigela grande com água e gelo e uma uma panela média com água fria. Adicione o camarão à panela e leve para cozinhar em fogo alto. Cozinhe, mexendo ocasionalmente, até que os camarões estejam cor de rosa e ligeiramente cozidos. Se preferir ser mais exato, utilize um termômetro até que a temperatura da água atinja 80 graus.Transfira, imediatamente, os camarões cozidos para o banho de gelo. Escorra bem, descartando gelo.

Deliciosa, refrescante e muito versátil esta salada arrancará elogios de seus convidados!

Deliciosa, refrescante e muito versátil esta salada arrancará elogios de seus convidados!

Pique o camarão em pedaços pequenos, reservando 8 para a decoração dos pratos. Transfira para a tigela que contém a cebola e o salsão e adicione o restante dos ingredientes. Tempere com sal e pimenta. Recheie as cestinhas de parmesão, já frias, decore com o camarão inteiro e folhas de ervas frescas. Sirva em seguida.

De encher os olhos e a boca de água!

De encher os olhos e a boca de água!

DICAS:

  1. Estas cestinhas podem ser recheados de risoto para um parto principal. Se guardadas adequadamente em um recipiente com tampa hermética duram até 1 semana bem crocantes;
  2. Esta salada também pode ser servida como um “dip”. Pique os camarões bem muidiunho e sirva com torradinhas ou pã sueco.

E agora dê uma passada nos blogs do #ColetivoGastronômico deste mês  para ver as demais receitas que elaboramos para você. Feliz Páscoa!

coletivo

Brie com Goiabada – Croquetes de Atum

Na Biroskinha – Moqueca de Banana da Terra

Pimenta na Cozinha – Bacalhau Cremoso com Mini Alcachofras

Panela e Paixão – Pudim de Chocolate

Cozinha da Gertrudes – Ovo de Colher

O que temos hoje, Elisa? – Pão de Páscoa

Páscoa IV – Uma receita para Celebrar

Estive pensando qual receita poderia colocar aqui. Vou confessar que já faz muito tempo que não cozinho o almoço do domingo de Páscoa.

Desde que meu filho entrou em idade escolar, principalmente quando estávamos no México, aproveitávamos para viajar, pois este é um feriado grande (spring break). Já aqui no Brasil, a Páscoa é celebrada na casa da minha mãe e ela se encarrega dos preparativos…

Então fui resgatar as memórias de alguns anos atrás. Voltei uns 8 anos e “desenterrei” fotos e lembranças deliciosas. Encontrei alguns registros dos 2 últimos anos que cozinhei. Me lembro que em um ano nevou muito em Londres, nesta manhã. Deixei uma paleta de porco no forno e fomos brincar na neve… Por pouco não queimo toda a carne!!

Paleta Assada para a Páscoa

Paleta Assada – quase queimada! – para a Páscoa

No ano seguinte, já sem neve, foi nossa última Páscoa em Londres, e até onde me lembro o último almoço que cozinhei.

O almoço do domingo sempre me remeteu a carnes como porco ou cordeiro. Algo que não comemos todos os dias, algo para celebrar. Claro que não precisa ser tão “Flintones” como a paleta da foto acima. Acho que naquele ano, provavelmente, eu tenha sofrido muito sem carne no período da Quaresma!!

Costeletas de Cordeiro Milanese (Serve 4)

E assim festejamos a Páscoa!

E assim festejamos a Páscoa!

Ingredientes:

8 costeletas de cordeiro

sal e pimenta

8 fatias de pão de forma, branco ou integral

1 raminho de alecrim

1 raminho de tomilho

2 ovos batidos, para empanar

farinha de trigo para empanar

óleo vegetal para fritar

Modo de Preparo:

Tempere as costeletas com sal e pimenta do reino moída na hora.

Em um processador de alimentos ou no liquidificador, coloque as fatias de pão com as ervas e triture até formar uma farinha. Tempere com sal e pimenta do reino moída na hora.

Sal e pimenta é o que basta para estas deliciosas costeletas

Sal e pimenta é o que basta para estas deliciosas costeletas

Passe as costeletas na farinha de trigo, depois no ovo batido e em seguida empane na farinha de pão temperada.

Aqueça o óleo em uma frigideira e frite as costeletas até a casquinha ficar dourada. A carne de cordeiro deve ficar ao ponto e rosada. Estará muito suculenta. Se você estiver cozinhando para um batalhão, não se desespere. Vá fritando as costeletas e coloque-as em uma assadeira e conserve no forno baixo até que todas estejam prontas.

Estas delícias eu servi com polenta cremosa e as incríveis cebolas assadas. Deixo esta receita abaixo:

Cebolas Brancas Assadas (Serve 4)

Ingredientes:

4 cebolas brancas grandes

1 colher de chá de sal

1 colher de sopa de manteiga

sal e pimenta do reino

4 raminhos de alecrim

4 fatias de bacon

2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado

Modo de Preparo:

Descasque as cebolas e coloque em uma panela grande. Cubra com água, adicione 1 colher de chá de sal e cozinhe por 15 minutos ou até que fiquem suaves ao toque do garfo.

Escorra e deixe esfriar até que seja possível manuseá-las. Faça uma cavidade central com cuidado para que não perfure o fundo. Pique toda a cebola que foi retirada da cavidade.

Cebolas brancas recheadas - um perfeito acompanhamento

Cebolas brancas recheadas – um perfeito acompanhamento

Aqueça o forno a 200 graus.

Em uma frigideira, aqueça a manteiga, junte a cebola picada e refogue ligeiramente. Retire as folhas até a metade do ramo do alecrim, pique e junte ao refogado. Tempere com sal e pimenta do reino moída na hora. Com uma faca afiada raspe o ramo de alecrim para que fique pontiagudo.

Enrole 1 fatia de bacon na cebola e “prenda” com o alecrim. Coloque as cebolas em uma assadeira. Recheie com o refogado, polvilhe queijo parmesão e leve ao forno alto por 20 minutos ou até que estejam tenras e gratinadas.

Feliz Páscoa!

DICAS:

  1. Caso você queira fazer o porco lá de cima, precisará de 1 paleta de 2 kg, com osso e a pele. Aqueça o forno a 200 graus. Com uma faca afiada faça cortes na pele de aproximadamente de 0,5cm sem cortar a carne, somente a pele, em xadrez. Passe sal, de preferência, grosso, na pele e massageie para que penetre nos cortes. tempere a carne com sal e pimenta do reino moída na hora. Coloque a carne em uma assadeira e leve ao forno para assar por 30 minutos, ou até que a pele começa a pururucar. Abaixe o forno para 170 graus, embrulhe a carne com duas camadas de papel alumínio e cozinhe por mais 4 horas. Na última meia hora retire o papel alumínio, volte a temperatura a 200 graus e termine o cozimento. Pronto! Só não saia para brincar na neve!! 😉

Para sobremesa, vá de Pudim de Claras!

Páscoa III – Confit de Bacalhau

Se tem alguém muito chato pra comer, este é o meu cunhado. O cara não manja nada de comida, mas ainda assim faz caras e bocas e quer dar opinião em tudo! 😉

Ele não come bacalhau – ou melhor, não comia, até que um dia eu fiz esta receita. Sabe aquele momento que o céu se abre, uma luz divina aparece na sala de jantar e os anjos dizem: “Ohhhhhhhh”! Parecia assim, mesmo!

Eu sempre achei que ele não gostasse de bacalhau. Mas depois fui descobrindo que ele sempre nunca tinha comido bacalhau de verdade. Eram sempre aquelas lascas duras e secas, com muita batata e cebola. Coitado do chato pra comer…

E tomei como desafio fazer o meu cunhado mudar de ideia. Se ele gosta de peixes em geral não havia razão para não gostar de bacalhau – de verdade, não merluza petrificada!!!

Desafio aceito, fiz a receita mas fácil, mais deliciosa que deixa o peixe tenro, úmido e cheio de sabor. Se você também tem um convidado chato prá comer que vai encrencar sua Sexta-Feira Santa aposte nesta receita. Só que, prepare-se, pois ele vai virar freguês!

Confit de Bacalhau (Serve 4)

A receita certa para agradar qualquer paladar. Inclusive o chato para comer!

A receita certa para agradar qualquer paladar. Inclusive o chato para comer!

Ingredientes:

4 postas de lombo de bacalhau dessalgado, aproximadamente 1kg (ultimamente tenho usado o congelado da Bom Porto, pois é o melhor custo benefício que encontrei)

2 litros de azeite de oliva (não precisa ser extra virgem, mas de boa qualidade) – reserve 1 xícara

1 cabeça de alho

4 ramos de tomilho

4 ramos de alecrim

4 cebolas pequenas cortadas em fatias finas

100gr de tomate seco.

Modo de Preparo:

Caso esteja usando bacalhau salgado lave as postas para retirar o sal excedente e coloque-as em água com pedras de gelo e deixe na geladeira por 24 horas, trocando a água a cada 6 horas. No caso do bacalhau congelado proceda o descongelamento conforme as instruções da embalagem.

Aqueça o forno a 80 graus. Caso seu forno não atinja esta temperatura, aqueça na temperatura mais baixa e deixe a porta entreaberta para o calor escapar.

Seque bem as postas e acomode-as em um refratário que possa ir ao forno e que seja mais alto que as postas. Coloque os dentes de alho e os temperos, tomilho e alecrim entre as postas. Cubra todo o peixe com o azeite. Observe que quanto maior o espaço entre as postas mais azeite será necessário para cobrir o peixe; por isso não use um refratário que seja muito grande.

Leve para assar por 1 hora. Faltando 15 minutos para o término do tempo acrescente os tomates secos ao azeite para que amoleçam.

Em uma panela de fundo grosso aqueça 1 xícara de azeite reservada e junte as cebolas fatiadas. Em fogo muito baixo vá refogando até que murchem e comecem a obter uma cor caramelo.

Assim que o bacalhau terminar de assar, sirva com as cebolas caramelizadas, os dentes de alho e os tomates secos, acompanhado de arroz branco e batatas ao murro.

Deliciosamente úmido, tenro e com sabor muito suave. Assim deve ser o almoço da Sexta-Feira Santa!

Deliciosamente úmido, tenro e com sabor muito suave. Assim deve ser o almoço da Sexta-Feira Santa!

DICAS:

  1. O azeite NUNCA deverá ferver, pois senão fritará o bacalhau. Para fazer uma confitura deverá manter a temperatura bem baixa.
  2. Esta preparação poderá ser feita na boca do fogo, com a chama no mínimo possível.
  3. Outros temperos como louro, pimenta preta e alcaparras podem ser adicionados ao azeite para conferir mais sabor.

Como sobremesa recomendo este DE LI CI O SO Cheesecake. Receita aqui.

Eu sei... é de babar, mesmo!!

Eu sei… é mesmo de babar!!

Páscoa II – Torta Pascoalina

Apesar de ser uma tradição da Ligúria, na Itália, a primeira vez que ouvi falar da Torta Pascoalina foi no México, por uma amiga argentina. Pelos lados porteños esta delícia também é muito comum e uma refeição na época da Páscoa.

Carla T. havia me encomendado uma torta para sua festa de despedida. Apesar de não cozinhar nada, me explicou todos os detalhes da torta e me confiou a tarefa de apresentá-la no qual seria o seu último dia entre as amigas mexicanas, argentinas e brasileiras.

Lá fui eu pesquisar, conversar com outras argentinas e testar a receita. Tudo saiu perfeitamente e as tortas que preparei receberam vários elogios. Pensei estar pronta para o desafio.

No dia do brunch, cheguei com uma torta linda, perfumada e executada com todo o cuidado para presentear a amiga. Carla levou a torta para a cozinha, olhou, olhou, agradeceu mas pediu para a sua empregada guarda-la na geladeira. Não entendi. Será que estava tão bonita que ela não queria dividir com ninguém? Que honra!!

“_ Patri, no es exactamente lo que you queria… Esa no es la pasta frola!”

Caraca. Fiquei arrasada… Não consegui executar a tarefa e ainda levei uma crítica logo a sangue frio. Mas afinal, o que era a pasta frola? Lá fui eu, novamente, conversar com mais um bando de argentinas que por ali estavam… Descobri que a massa a que se referia Carla, era uma massa de torta muito utilizada na Argentina para tortas doces e que em pouquíssimos lugares a utilizavam para tortas salgadas, e mais raro ainda para elaborar uma Tarta Pacualina

O café da manhã seguiu com um misto de alegria e tristeza, não porque não degustariam a torta, mas porque nossa grande amiga partiria. E eu só conseguia pensar naquela Torta Pascualina fracassada, esquecida na geladeira… Por um minuto fiquei feliz que Carla partiria para não ter que encará-la novamente tamanha a vergonha que eu sentia.

Naquela mesma noite, Carla me ligou para agradecer pela torta e dizer que a minha versão estava divina e nunca tinha comido uma assim, uma versão de chef. E que por anos ela comeu sempre a mesma torta preparada por sua mãe e não imaginava que algo diferente poderia ser tão bom. Mais uma vez o misto de felicidade e tristeza tomou conta de mim… Minha grande amiga estava de partida.

Desde então, brinco com todas as versões possíveis da torta; couve, espinafre, ricota, queijo feta, bechamel, já foram protagonistas nas minhas receitas. Aprendi que a experiência individual de cada um determina o seu nível de satisfação.

Torta Pascoalina da Carla T. (Serve 4)

Minha Versão da torta da Carla T.

Minha Versão da torta da Carla T.

Ingredientes:

1 colher de sopa de azeite de oliva

1 cebola pequena picada finamente

1 dente de alho picado finamente

1 maço grande de escarola cortada chiffonade*

1 raminho de manjerona

1/4 de colher de chá de sal

pitada de pimenta do reino

pitada de noz moscada

2 pacotes de massa folhada 300gr cada

5 ovos, sendo que 1 separada a gema da clara

1/4 xícara de queijo parmesão ralado

350gr de queijo tipo feta

Modo de Preparo:

Comece preparando o recheio. Em uma panela de fundo grosso aqueça o azeite e refogue a cebola e o alho, em fogo baixo, para murchar mas não dourar. Junte a acelga picada e aumente o fogo. Como toda folha verde, a acelga contém muita água e precisa ser refogada rapidamente somente para murchar. Mexa sempre para não queimar, adicione as folhinhas de manjerona e tempere com sal, pimenta e noz moscada.

Acelga, espinafre, couve. Brinque com as versões possíveis!

Acelga, espinafre, couve. Brinque com as versões possíveis!

Retire do fogo e deixe escorrer para retirar o excesso de água e esfriar.

Prepare a massa folhada. Coloque a massa folhada sobre uma forma para torta de fundo removível. Eu recortei as beiradas pois queria uma torta mais clean. Mas se você preferir algo mais rústico, pode deixa-las e depois dobre-as sobre a tampa.

Agora um truque que vale para todas as massas, principalmente aquelas que não serão pré assadas. Fure a massa com um garfo e pincele clara de ovo. Deixe secar (seca rapidinho) e pincele uma segunda camada. A clara de ovo vai “impermeabilizar ” a massa e o recheio não deixará úmida e molenga!

O truque da clara e nunca mais torta empapada!

O truque da clara e nunca mais torta empapada!

Coloque o recheio de acelga sobre a massa. Com a ajuda de uma colher faça 4 “buracos” no recheio, em posições onde as fatias serão cortadas e quebre os ovos (4) nestes buracos. Polvilhe o queijo parmesão sobre os ovos e cubra toda a torta com o queijo feta despedaçado ou ralado.

Aqueça o forno a 200 graus.

Corte a segunda massa em 2 partes e estique-as com o rolo de massa para que fiquem mais finas. Tampe a torta com uma massa, pincele com azeite e sobreponha a outra massa. Faça isso para que fiquem bem folhadas. Corte o excesso de massa das bordas ou dobre-as para cima da tampa para um acabamento mais rústico.

Pincele com a gema de ovo restante e leve ao forno por 35/40 minutos ou até que a massa esteja bem folhada e dourada.

Feliz Pascoalina!

E para sobremesa sugiro:

Pavlova de Frutas e Calda de Maracujá

Bolo Daquoise de Mousse de Chocolate e Nutela®

Esta é apenas uma das versões para esta torta. Invente a sua!

Esta é apenas uma das versões para esta torta. Invente a sua!

 DICAS:

  1. Você poderá utilizar massa podre ou massa de quiche para esta torta;
  2. Caso não queira tanta massa, não precisa colocar a tampa da torta – versão quase quiche!
  3. Caso queira ovos mais duros, utilize ovos cozidos no recheio ao invés de ovos crus;
  4. Ricota também poderá ser utilizada no lugar do queijo feta. Se utilizar a ricota mais cremosa misture-a ao recheio de acelga.

* Chiffonade – faça um rolinho com as folhas de acelga, como se fosse um charuto. Com uma faca bem afiada corte em “fatias” bem finas. É um corte muito utilizado para couve manteiga.