Com história, por favor!! [Tortinhas com Massa de Aveia e Azeite de Oliva]

Não há nada mais gratificante para uma escritora de um diário de receitas virtual (leia-se blog) que um seguidor elogiar suas fotos no Instagram e dizer que está ansioso pela receita!

Hoje em dia, receitas pipocam aos milhares na rede e muito raramente alguém vai até um blog de receitas atrás de uma. Ainda mais se o blog em questão tiver um monte de palavras – como este aqui, que contam uma história – antes da tão esperada receita. E eu sou assim. Uma contadora de histórias. Quando comecei o blog, minha intenção nunca foi passar receitas, mas contar meus “causos”. Achei que a receita seria uma isca! 😉 Muitas vezes, eu também recorro ao “Santo Google” para encontrar uma receita rapidinha ou uma dica no meio de um preparo.

No entanto, o que eu gosto mesmo, é de ler o que antecede a receita. Saber o porquê dela estar ali, conhecer a pessoa atrás da tela do computador apenas lendo as palavras que ela cuidadosamente escolheu para emoldurá-la! Adoro livros que trazem contos e pontos. Não só as receitas. Que se importam com que os ingredientes sejam os personagens de um romance ou uma aventura que acabará em um delicioso banquete e viverão felizes para sempre tendo cumprido o seu papel no mundo da alimentação…

O meu favorito é Yotam Ottolenghi. A cada receita, em todos os seus livros, lindas histórias de sua infância em Jerusalém, sua vida em Londres, me transportam para o Oriente Médio num lindo faz de conta gastronómico. Adoro também Fuchsia Dunlop e sua  capacidade de fazer da cozinha chinesa algo trivial e corriqueiro. Aqui no Brasil, quem representa muito bem este papel é a chef Carla Pernambuco. Seus livros, sempre recheados de histórias de cozinha, transformam qualquer receita numa viagem!

Mas voltando a receita de hoje… Agradeço muito a Deia Tomaz, que através de um singelo comentário no Instagram, fez esta postagem virar quase um romance! 😉

Tortinhas de Farinha Integral, Aveia e Azeite de Oliva (6 tortinhas de 10cm ø)

Com tampinha ou sem, essas tortinhas são deliciosas opções para um lanche

Com tampinha ou sem, essas tortinhas são deliciosas opções para um lanche

Ingredientes:

150g de farinha de trigo integral

50g de flocos finos de aveia

1 colher de chá de sal

2 ovos pequenos, ligeiramente batidos (aproximadamente 100g)

6 colheres de sopa de azeite de oliva (aproximadamente 90ml)

1 colher de sopa de água gelada

Os recheios podem ser do que tiver na geladeira.

Os recheios podem ser do que tiver na geladeira.

Modo de Preparo:

Misture todos os ingredientes secos em uma tigela. Em outro recipiente misture bem os ovos e o azeite. Coloque esta mistura na tigela dos ingredientes secos e comece a misturar até incorporar. Adicione aos poucos a água, se necessário. Dependendo da umidade da farinha toda a água será utilizada ou apenas um pouquinho. A massa deverá ficar macia e de fácil manuseio. Se estiver grudenta polvilhe um pouco de farinha só para atingir o ponto.

Massa muito fácil e deliciosa de se trabalhar

Massa muito fácil e deliciosa de se trabalhar

Divida a massa em 3 partes. 2/3 será utilizado para forrar o fundo das forminhas. Não precisa usar o rolo para abrir, pois esta massa fica bem maleável para abrir com as pontas dos dedos diretamente na forminha.

Recheie a gosto. Como a massa fica bem sequinha, em razão da farinha integral e aveia, sugiro um recheio mais úmido (Vide DICA 1).

Abra as tampas para as tortinhas bem fininhas e cubra os recheios apertando as laterais. Faça um corte ou um furinho na tampa para que o vapor que se forma com a umidade do recheio escape. Duas tortinhas eu deixei sem tampa. No total, fiz 4 tortinhas com tampa e 4 só o fundo, estilo quiche.

Pincele com gema de ovo e asse por 20 minutos, em forno pre aquecido a 180 graus, ou até que fiquem bem douradas, sequinhas e crocantes.

Tortinhas "PacMan" ;)

Tortinhas “PacMan” 😉

DICAS:

  1. Eu aproveitei que era sexta-feira e “limpei” a geladeira. Juntei um pouquinho de tudo e fiz três recheios diferentes:
    • carne moída com legumes e requeijão;
    • linguiça com vagem, no molho bechamel,
    • queijo de cabra, cebolas caramelizadas com tomilho
  2. Esta massa pode se transformar em deliciosos biscoitos crocantes. Abra a massa bem fininha e use um cortador para dar a forma desejada. Leve para assar por 10 a 15 minutos ou até estar crocante. Se quiser polvilhe parmesão, gergelim ou sal grosso antes de levar para assar.

Festa Junina no #ColetivoGastronômico [Pamonha Salgada Recheada de Carne de Sol]

As festas juninas são as minhas festividades populares favoritas. A crença católica (ou pagã!) dos santos deram passagem à delícia das comidas de quermesse, às danças de quadrilha e ao calor das fogueiras que esquentam as noites frias dos meses de junho e julho aqui em São Paulo.

Muitas são as quermesses das igrejas por aqui! E o que acho muito bonito é que, mesmo quem não venere os santos, curte os festejos de igual maneira. É uma festa bastante democrática e tolerante. E as pessoas deixam seus preconceitos de lado e se unem. Uma pena que nem sempre seja assim.

O #ColetivoGastronômico do mês escolheu este tema para as receitas do mês do junho. E hoje, dia de Santo Antônio, publicamos 7 receitas bem diferentes das tradicionais. Eu optei por uma pamonha salgada feita com milho de canjica. Quando se fala em pamonha salgada por aqui o pessoal assusta! Foi por isso que optei pelo milho branco. Ficou deliciosa!

Nada tradicional, mas incrivelmente deliciosa

Nada tradicional, mas incrivelmente deliciosa

Pamonha Salgada Recheada de Carne de Sol (Serve 10 unidades)

Ingredientes:

500g de carne de sol cozida e desfiada (guarde 1/2 xícara da água do cozimento)

1 colher de sopa de manteiga de garrafa

500g de milho branco pré cozido (eu utilizei da marca Vapza)

1 colher de café de páprica (opcional)

1 colher de café de sal, se necessário

1 palito de queijo de coalho ou queijo minas padrão cortado em tiras

10 forminhas de papelão para mini bolo

Ingredientes baratos e muito fáceis de encontrar fizeram nossa festa junina um tiquinho mais "gourmet"! :)

Ingredientes baratos e muito fáceis de encontrar fizeram nossa festa junina um tiquinho mais “gourmet”! 🙂

Modo de preparo:

Aqueça uma frigideira e derreta a manteiga de garrafa e acrescente a carne de sol desfiada. Frite até a carne ficar sequinha e dourada.

Em um liquidificador ou processador de alimentos bata o milho branco pré cozido com 1/2 xícara da água do cozimento da carne. Vá adicionando aos poucos até obter uma consistência cremosa, como um purê liso. Eu acrescentei uma pitada de páprica à mistura para dar cor e sabor e usei um pouco menos que 1/2 xícara de água. Prove os temperos. Dependendo da dessalga da carne será necessário um pouco mais de sal.

Meu purê de milho branco

Meu purê de milho branco

Forre o fundo e as laterais da forminha com este purê e acrescente a carne e o queijo. Cubra com mais purê formando a pamonha. Você também pode fazer em ramequins refratários como se fosse um escondidinho.

Pamonha moderna. Quem não tem palha de millho...

Pamonha moderna. Quem não tem palha de millho…

Coloque em uma vaporeira, tampe e cozinhe no vapor por 1 hora. Também poderá ser cozida no forno a 150 graus, em banho maria, coberto com papel alumínio.

Cozinhe no vapor por 1 hora

Cozinhe no vapor por 1 hora

A forminha ficará umedecida e bem mole como a palha do milho. Você pode desenformar ou abrir a forminha e Nhac!

Um delícia para sua Festa Junina!

Um delícia para sua Festa Junina!

DICAS:

  1. Pode-se usar o milho verde, também;
  2. Caso prefira, a palha do milho funciona igualmente, mas eu tive dificuldade em encontrar palhas verdinhas e bonitas. A idéia da forminha foi uma grande descoberta!

Se você gostou desta receita não deixe de visitar os demais blogs que trazem as delícias do mês junino:

Para todos os gostos. Escolha a sua! ;)

Para todos os gostos. Escolha a sua! 😉

Azeitonas Temperadas – Canjica Nordestina com Linguiça

O que temos hoje, Elisa? – Panquecas de Milho

Pimenta na Cozinha – Bolo de milho biju com queijo e salame fresco

Arte na Cozinha – Sopa de Milho com Pernil e Limão

Na Cozinha da Carina – Sagu de Vinho

Cozinha da Gertrudes – Queijadinha de Casquinha

A Maturidade de uma Receita #ColetivoGastronômico [Jalapeños Gratinados]

Eu me lembro que a primeira vez que vi um jalapeño recheado foi nos idos dos anos 90, quando morei nos Estados Unidos. Num domingo qualquer almoçando na Pizza Hut, chega uma bandeja de pimentas fumegantes, recheadas e ainda borbulhado, com muito queijo derretendo de dentro de uma capa de fritura empanada. Parecia o paraíso até colocar a primeira na boca. Até hoje consigo sentir o ardor da primeira vez. Aos 16 anos… Ah… sweet sixteen! hahaha

Mas na vida é importante que nos acostumemos. Até mesmo com as pimentas recheadas, pois elas apareceriam mais uma vez na minha vida. Desta vez, vinte anos depois, mais madura e experiente. A paixão e o fogo inicial se transformaram em amor duradouro e um calor reconfortante. Um pouco menos junk food, sem aquela capa de fritura, experimentei a receita de jalapeños gratinados que, apesar de ser uma invenção texmex os mexicanos souberam, muito bem, dar uma nova cara e roupagem a estas deliciosas pimentas.

Baseados na receita de chiles rellenos de las abuelas, as ardidas pimentinhas, deixaram de ter aquele apelo imaturo e frívolo de uma adolescente e ganharam mais requinte e sobriedade, assim como uma mulher madura e dona de si! 😉

Com ingredientes simples e nenhuma técnica esta receita é a prova perfeita de que menos é mais. De que o pretinho básico nunca sai de moda!

E foi por isso que a escolhi para o tema Petiscos, do #ColetivoGastronônico do mês. Ela faz jus e se encaixa perfeitamente nesta nossa nova fase, onde o importante é sermos o que somos, mas parar as arestas e deixar o excesso de lado é fundamental!

Jalapeños Gratinados (Serve 4)

Uma receita na maturidade da sua vida! ;)

Uma receita na maturidade da sua vida!

Ingredientes:

12 pimentas jalapeños ainda verdes

300gr de requeijão cremoso (pode ser cream cheese, creme de ricota, Catupiry)

1 xícara de bacon picadinho, frito e crocante

1 xícara de queijo cheddar ralado

1 colher de sopa de xarope de  maple ou mel (opcional)

Modo de Preparo:

Pre aqueça o forno a 200 graus. Forre uma assadeira com papel manteiga.

Corte os jalapeños ao meio no sentido do comprimento, com cuidado para formar “barquinhas”. Retire as sementes e as membranas e coloque-as na assadeira

Sem sementes, mais brando. Com sementes, ardente e fugaz.

Sem sementes, mais brando. Com sementes, ardente e fugaz.

Usando uma faca de manteiga ou um saco de confeiteiro recheie cada metade de jalapeño com o requeijão cremoso. Eu sempre tenho saco de confeitar descartáveis por aqui. São muito úteis e facilitam demais qualquer trabalho de recheio na cozinha.

Ajudante estrela, o saco de confeiteiro facilita na hora de rechear.

Ajudante estrela, o saco de confeiteiro facilita na hora de rechear.

Coloque o bacon sobre o requeijão e leve para o forno por 10 minutos até que as pimentas estejam tenras e o queijo bem cremoso e borbulhante.

Retire do forno e polvilhe com cheddar ralado. Volte ao forno por mais 5 minutos até que esteja gratinado. Você pode usar o grill nesta fase.

Regue com o maple ou mel, se estiver usando e sirva imediatamente. Eu adoro o contraste do cremoso com crocante, do picante com a doçura…

A receita perfeita: cremoso e crocante; picante e suave

A receita perfeita: cremoso e crocante; picante e suave

DICAS:

  1. Caso não encontre as pimentas jalapeños na feira ou nos mercados, já existe por aí uma pimenta chamada americana que é um pouco maior e menos picante. Se gostar do ardor, deixe as sementes. A pimenta cambuci também fica deliciosa.
  2. NÃO use aquele queijo tipo cheddar processado, em fatias. É bastante díficil encontrar o cheddar verdadeiro, eu sei. Mas um ótimo substituto é o queijo do Reino.
  3. Você pode deixar o maple/mel de fora. Mas assim como uma pitada de sal realça a doçura dos doces, o mel realçará a pungência da pimenta, mas ao mesmo tempo deixando o ardor de fora. Difícil explicar, por isso, experimente!

E para mais delícias assim veja o que o #ColetivoGastronômico preprou este mês:

coletivo

O que temos hoje, Elisa? – Arepa de Mandioca

Blog Gordices – Batata Bolinha Assada com Alecrim

Arte na Cozinha – Boneless Bufalo Wings

Cozinha da Gertrudes – Croquete de Mortadela

Na Cozinha da Carina – Dadinho de Tapioca com Geléia de Pimenta

Menu Criativo – Muffin de Calabresa e Queijo

Artes da Mel – Bolinho de Carne

Azeitonas Temperadas – Linguiça com Chutney de Frutas Secas

Pimenta na Cozinha – Rolinho de Salmão Defumado

Mosaico de Receitas – Guacamole

Queijo, sempre! [Torta Caprese]

Quem não tem sempre um pedacinho de queijo zanzando pela geladeira?

Tenho duas ratazanas em casa, Remy (aka Ratatouille) e Emile e queijo de todos os tipos é o que não falta por aqui. Mas, às vezes, aquele tequinho sobra e começa a querer estragar. Como por aqui tudo se aproveita… Eu tenho aquele saquinho Zip Lock no freezer pronto para receber estes coitadinhos que serão muito bem aproveitados no futuro?

Congelo qualquer tipo de queijo, mas cuidado com os mais frescos que contêm maior quantidade de líquido, pois ao descongelar verterão água. Então, ao descongelar, deixo sobre uma peneira para que escorra o excesso.

Neste recheio utilizei mussarela, mussarela de búfala, queijo fresco e parmesão. Mas você pode criar a sua versão desta deliciosa torta caprese que será o jantar desta noite! 🙂

Torta Caprese (Rende 12 fatias)

Para o lanche ou o jantar esta torta é uma opção certeira

Para o lanche ou o jantar esta torta é uma opção certeira

Ingredientes:

*A massa é esta aqui

500g de queijos variados picados (se for usar a mussarela de búfala tradicional, deixe escorrer o excesso de líquido para não empapar a massa)

1 colher de sopa de manjericão seco

1 colher de chá de sal

pimenta do reino moída na hora, o quanto baste

200g de tomatinhos cereja ou uva, cortados na metade (eu usei vermelhos e amarelos)

30g de queijo parmesão ralado

3 colheres de sopa de farinha de rosca

A simplicidade do recheio

A simplicidade do recheio

Modo de Preparo:

Pré aqueça o forno a 180 graus.

Temperar os queijos com o sal, o manjericão e a pimenta. Preparar a massa conforme a receita e colocá-la toda em uma assadeira untada com manteiga e 2 colheres de sopa de farinha de rosca. Por cima da massa colocar o queijo e o tomates afundando cuidadosamente. Polvilhe com o queijo parmesão e o restante da farinha de rosca.

Muito queijo e muito tomate!!!!

Muito queijo e muito tomate!!!!

Assar por 40 minutos ou até que sua torta esteja dourada e crocante.

TortaCaprese4

Cremosa por dentro e crocante por fora. O que poderia ser melhor?

DICAS:

  1. Não use manjericão fresco para esta preparação. Além de ficar preto, deixará o recheio amargo;
  2. Tomates italianos também podem ser usados. Mas retire o miolo com as sementes pois contêm muita água;
  3. Eu usei um pacote de queijo parmesão ralado de 50g e dividi metade na massa e metade para polvilhar.

Fim de feira… [Caponata no Forno]

Na casa de minha mãe sempre havia um dia da semana que ela preparava um cozidão com tudo o que estava por perder na geladeira. Ia juntando 1 cenoura, 1 cebola, 2 ou 3 pedaços de pimentão, vagem… Era a famosa “Panela Velha” para o almoço.

Aqui em casa também aproveito tudo. Vocês já leram os meus posts sobre o Mexidão ou o Caldo de Frango? Pois deveriam!! Sou, realmente, uma acumuladora e reaproveitadora de tudo o que seja comestível. A não ser que esteja estragado (…) vai para minha panela!

E pós férias a geladeira estava realmente um caos. Fim de feira, mesmo! Uma verdadeira Xepa! Antes que os alimentos fossem parar no lixo :/ resolvi o problema com uma boa conserva. Esta, para mim, é a melhor maneira de aproveitar os alimentos antes que eles estraguem e prolongar um pouco mais sua vida útil.

Minha geladeira vive cheia de potes de vidro – que também acumulo para estes fins!!! – com conservas. As cebolas viram chutneys, os tomates e laranjas, geléias, e os legumes na maioria das vezes, caponata; este delicioso antepasto que quebra um super galho no momento da visita inesperada, da salada na marmita, ou mesmo num lanchinho da tarde para enganar a fome sem sair da dieta!

Esta versão fiz no forno para não dar trabalho nenhum e sujar uma panela só!

Caponata de Legumes ao Forno (Rende 500g)

Que tal este lanchinho para nutrir e enganar a fome?

Que tal este lanchinho para nutrir e enganar a fome?

Ingredientes (São apenas sugestões. Você pode usar o que tiver na geladeira)

2 pimentões (usei 1 vermelho e 1 restinho de amarelo)

1 berinjela cortada em cubos de aproximadamente 1cm x 1cm

1 abobrinha cortada em cubos de aproximadamente 1cm x 1cm

2 cebolas roxas

1 pedaço do bulbo da erva doce picada

2 talos de salsão picados

1 pimenta dedo de moça picadinha (opcional)

1 colher de chá de orégano seco

1/2 xícara de uvas passas (opcional)

1 colher de sopa de alcaparras (opcional)

sal

pimenta do reino

azeite, o quanto baste

1/2 xícara de salsinha picada

1/4 de xícara de hortelã picada

faça uma limpeza na geladeira e ganhe um bônus!

Faça uma limpeza na geladeira e ganhe um bônus!

Modo de Preparo

Aqueça o forno a 150 graus. Enrole os pimentões em papel alumínio para assar e tirar a pele. Se você preferir pode fazer na chama do fogo, mas eu acho que dá mais trabalho e faz mais sujeira…

Forre uma assadeira com papel alumínio e coloque as legumes, exceto o pimentão e as uvas passas. Tempere com o orégano seco, cubra com papel alumínio e leve para assar, por 1 hora. Aproveite o forno e coloque os pimentões também. Assim economizamos gás e tempo!

Após 1 hora desenrole os pimentões com muio cuidado e coloque-os em um saco plástico e amarre, para formar vapor. Deixe esfriar. Assim, a pele sai bem facinho.

Junte as uvas passas, se estiver usando, aos seus legumes e cubra com papel alumínio novamente. Elas irão hidratar com o calor.

Quando os pimentões já estiverem mornos e for fácil manuseá-los abra o saquinho plástico e com as pontas dos dedos retire a pele. Muito fácil! Pique e junte aos legumes que também já deverão estar frios.

Um jeito delicioso de aproveitar os legumes e ter uma comidinha para as horas de aperto!

Um jeito delicioso de aproveitar os legumes e ter uma comidinha para as horas de aperto!

Tempere com sal e pimenta a gosto e junte as ervas frescas. Se for comer em seguida, regue com bastante azeite de oliva extra virgem. Se for guardar como conserva, coloque em um vidro limpo, que tenha uma tampa com boa vedação (eu usei 2 vidros de palmito) e complete com bastante azeite de oliva retirando todo o ar do recipiente.

Você pode guardar na geladeira por até 3 semanas, completando sempre a superfície com mais azeite, evitando assim, a criação de mofo.

Sempre mantenha 1 dedo de azeite na superfície do vidro para conservar

Sempre mantenha 1 dedo de azeite na superfície do vidro para conservar

DICAS:

  1. Caso utilize legumes mais duros como cenoura ou abóbora corte-os em pedaços menores para cozinhar por igual;
  2. Nunca coloque as ervas frescas para assar, pois ficarão amargas e perderão o frescor. No forno, somente ervas secas!
Os vidros bem tampados podem ser guardados por até 3 semanas na geladeira

Os vidros bem tampados podem ser guardados por até 3 semanas na geladeira