Caminhos do Paraíba

 

Olá. A insônia me pegou e o jeito foi aproveitar o “tempo livre” para escrever um pouquinho aqui, já que minha vida está tomada 24/7. E vou contar o porquê!

Nas últimas duas semanas estive envolvida em muito projetos bacanas, eventos, jantares, piqueniques e estou me programando para uma viagem incrível para a AFRICA. Embarco em 9 dias. Além do mais neste fim de semana acontece a festa junina do colégio do meu filho, onde passam, aproximadamente, 10 mil pessoas e eu resolvi me voluntariar para coordenar a barraca do pernil. Quase não tem trabalho por fazer… #sqn

Para desconectar do mundo insano em que nos metemos “sem querer”, nada melhor que um dia no mato. Um piquenique em uma linda fazenda em Pindamonhangaba onde, nada mais nada menos que Alex Atala, helena Rizzo, Gabriel Broide, Ivan Ralston, Nelson Gonçalves Jr., Rafael Protti e Rodrigo Oliveira cozinharam um banquete servido em lindas cerâmicas do Studio Neves! E como fui parar aí?

O evento é uma idealização do C5 – Centro de Cultura Culinária Câmara Cascudo, uma associação sem fins lucrativos fundada por cozinheiros, acadêmicos, jornalistas e estudiosos da cozinha brasileira, que tem por objetivo congregar esforços para melhor se conhecer e difundir a culinária nacional. E o lugar escolhido não poderia ser mais especial! A Fazenda Nova Coruputuba é um dos símbolos centenários do Vale do Paraíba e é um oásis agroflorestal emmeio aos complexos industriais de aço, ferro, alumínio e plástico da região.

Desde a primeira edição o almoço preparado pelos cozinheiros busca divulgar e incorporar na prática gastronômica o trabalho agroecológico e os ingredientes  que produtores cultivam na região. Este ano o evento abrangeu a região serrana desde o Sul de Minas Gerais, a Serra da Mantiqueira, o baixo Vale do Paraíba, a Serra da Bocaina e a Serra do Mar. Foi um lindo encontro de diversidade na mesa e fora dela!

Estar ali me fez sentir o quão importante esta integração é para o ser humano. Gente do bem, comida do bem. Gente pé no chão que queria dividir o que de melhor sabem fazer: fazer o bem para nós pessoas e para a natureza!

Deixo aqui os melhores momentos do evento. E se você quiser fazer parte e ser feliz como eu, também, 🙂  acompanhe as notícias do C5! E se quiser saber mais sobre os pratos servidos deixe aqui seu comentário que terei um imenso prazer em conversar sobre isso!

Cam22

cam1Cam2

Cam13Cam23 Cam14 Cam 24Cam15 Cam16 Cam17 Cam18 Cam19 Cam20 Cam3 Cam4 Cam5 Cam6 Cam7 Cam9Cam10  Cam11 Cam12Cam25

Cam8Cam21

Eu Boteco, Tu Botecas e Nós ajudamos a Gastromotiva [Bolinhos de Boteco]

No sábado passado participei de um curso sobre Cozinha de Boteco Carioca.

Quem melhor para dar este curso do que a MasterChef em Botecagem, Katia Brabosa, do bar Aconchego Carioca. A mestre em questão criou o bolinho de feijoada, o petisco mais desejado entre os bares de São Paulo e Rio de Janeiro. A Katia é a humildade e felicidade em pessoa. Acho até que este foi um dos motivos que a escolheram para dar este curso. Leia aqui uma reportagem emocionante sobre ela.

Toda a renda do curso foi revertida em prol da Gastromotiva. Para quem não sabe a Gastromotiva  é uma organização da sociedade civil que promove transformação social por meio da gastronomia. São oferecidos cursos de culinária para pessoas de baixa renda (e muitos com baixa estima…) para recolocação no mercado de trabalho. O projeto é lindo, o trabalho incrível e ainda você sai de bucho cheio. Como não ajudar uma causa dessas?

Nos tempos do Romã éramos parceiros e TODOS os nossos funcionários vieram da Rede Gastromotiva e foram excelentes cozinheiros e atendentes durante todo o período em que estivemos com as portas abertas!

Mas voltando ao curso de sábado, a Katia nos ensinou 5 tipos de bolinhos e ainda trouxe umas cervejinhas para harmonizar com cada um deles. Ele não é realmente uma pessoa de um coração que não cabe no peito?

A gente só quer comer e fazer o bem!

A gente só quer comer e fazer o bem! David Hertz, idealizador e mentor da Gastromotiva, Kátia Barbosa, a dona dos melhores bolinhos da cidade e uma tiete enxerida!

Bolinho de Aipim com Bobó de Camarão (Serve 40 bolinhos)

Ingredientes:

800gr de mandioca

1 xícara de creme de leite

1 gema de ovo

300ml de leite de coco

1 colher de sopa de azeite

50gr de alho picado

50gr de cebola picadinha

300gr de camarão

3 tomates sem pele e sem semente (concasse) picado

1 colher de sopa de azeite de dendê

sal e pimenta do reino branca

coentro picado, a gosto

Modo de Preparo:

Cozinhe a mandioca em abundante água com sal até ficar bem macia. Escorra, deixe esfriar e retire o fio interno. Separe 500gr de mandioca cozida e esprema – sempre esprema a mandioca fria!. Misture com o creme de leite e a gema de ovo. Sove por 5 minutos até obter uma massa firme e homogênea.

Bata o restante da mandioca com o leite de coco e reserve.

Em uma panela aqueça o azeite e refogue o alho e a cebola rapidamente. Acrescente o camarão deixe cozinhar por 3 minutos até que comece a ficar rosado. Acrescente o tomate o azeite de dendê e os temperos. Misture o purê de mandioca e leite de coco e prove o sal. Misture o coentro.

Faça bolinhas de 4cm e frite-as em óleo quente. Depois de fritas faça um corte tranversal nos bolinhos e recheie com o bobó de camarão como se fosse um acarajé.

Bolinho de Arroz Vermelho com Carne de Sol (Serve 40 bolinhos)

Ingredientes:

1 xícara de arroz vermelho (arroz da terra) lavado

200gr de cebola picada finamente

100gr de alho triturado

2 colheres de sopa de azeite

2 e 1/2 xícaras de água

500gr de queijo de coalho ralado

80gr de farinha de trigo

2 colheres de chá de sal

500gr de carne de sol dessalgada e desfiada

pimenta do reino branca, a gosto

pitada de cominho

coentro a gosto

Farinha de rosca para empanar

Óleo para fritar

Modo de Preparo:

Em uma panela aqueça metade do azeite em fogo baixo e refogue metade da cebola e do alho até murchar, sem deixar queimar o alho. Acrescente o arroz e refogue por 5 minutos. Adicione o sal, a pimenta e a água. Como não queremos um arroz soltinho, a água pode estar fria. Assim que voltar a ferver, reduza o fogo e deixe cozinhar por 30 minutos. Antes da água secar por completo, acrescente o queijo e a farinha de trigo mexendo vigorosamente até a massa desgrudar do fundo da panela.

Coloque a massa sobre uma bancada e deixe amornar.

Para o recheio, aqueça o restante do azeite e refogue o restante da cebola e alho. Acrescente a carne, temperando com o cominho. Refogue por uns 2 minutos até dar gosto. Quando esfriar misture o restante do queijo e o coentro.

Com a massa já morna sove-a por uns 5 minutos para que fique mais elástica. Faça bolinhas de 3cm e achate. Recheie com a mistura de carne, feche com cuidado e passe na farinha de empanar. Frite e sirva imediatamente.

Bora botar a mão na massa para fazer o bem!

Bora botar a mão na massa para fazer o bem!

Bolinho de Jiló com linguiça calabresa (Rende 40 bolinhos)

Ingredientes:

100gr de cebola picada finamente

50gr de alho triturado

1 colheres de sopa de azeite

250gr de jiló picado bem miúdo

1/2 colher de sopa de sal

1/2 colher de chá de pimenta do reino branca

200ml de água

300gr de farinha de trigo

250gr de linguiça calabresa picada

1/2 maço de salsinha picada

farinha de rosca para empanar

óleo para fritar.

Modo de Preparo:

Em uma panela aqueça metade do azeite em fogo baixo e refogue metade da cebola e do alho até murchar, sem deixar queimar o alho. Colocar o jiló e refogue por 5 minutos até começar a mudar de cor. Tempere com sal e pimenta. Caso queira uma massa mais pedaçuda e crocante, e também mais verdinha, não refogue o jiló por muito tempo. Se quiser a massa mais lisinha, refogue o jiló por mais 10 minutos. Adicione a água e quando começar a ferver acrescente a farinha de trigo de uma só vez, mexendo vigorosamente por mais 5 minutos até que a farinha cozinhe e a massa desgrude do fundo da panela.

Coloque a massa sobre uma bancada e deixe amornar.

Para o recheio, aqueça o restante do azeite e refogue o restante da cebola e alho. Acrescente a linguiça e deixe fritar por uns 3 minutos. Quando esfriar misture a salsinha.

Com a massa já morna sove-a por uns 5 minutos para que fique mais elástica. Faça bolinhas de 3cm e achate. Recheie com a linguiça, feche com cuidado e passe na farinha de empanar. Frite e sirva imediatamente.

Em sentido horário: "falso acarajé" de aipim com bobó de camarão, bolinho de arroz vermelho e carne de sol, bolinho de feijoada com couve e bacon, bolinho de jiló com calabresa.

Em sentido horário: “falso acarajé” de aipim com bobó de camarão, bolinho de arroz vermelho e carne de sol, bolinho de feijoada com couve e bacon, bolinho de jiló com calabresa.

Bolinho de feijoada (Serve 40 bolinhos)

Ingredientes:

500gr de feijão preto

250gr de carnes para feijoada (lombo, paio, carne seca, bacon, linguiça)

1 colher de sopa de azeite

50gr de alho

1 colher de chá de pimenta do reino branca

1 pitada de cominho

250gr de farinha de mandioca amarela (copioba amarela)

1 colher de sopa de polvilho azedo

300gr de bacon picadinho

1 maço de couve fatiada finamente (Chifonade)

farinha de rosca para empanar

óleo para fritar

Modo de Preparo:

Lavar as carnes da feijoada e dar uma fervura. Escorrer e, na panela de pressão, colocar as carnes fervidas e o feijão e cobrir com água. Cozinhar por 40 minutos ou até que as carnes estejam bem macias e o feijão desmanchando. Após cozido deixe esfriar. Bata no liquidificador o feijão com as carnes, lembrando de retirar os ossos.

Em uma panela refogar o alho no azeite e acrescentar o feijão batido.Tempere com a pimenta e o cominho e deixe ferver.  Acrescente, aos poucos, a farinha de copioba, mexendo sem parar até que desgrude do fundo da panela.

Coloque a massa sobre uma bancada e deixe amornar.

Para o recheio, frite o bacon e na própria gordura refogue a couve muito rapidamente, para que apenas murche, sem deixar soltar água e perder a sua cor verde.

Com a massa já morna acrescente o polvilho e sove-a por uns 5 minutos para que fique mais elástica. O polvilho não deixará que a massa resseque e fique quebradiça. Faça bolinhas de 3cm e achate. Recheie com a couve e o bacon, feche com cuidado e passe na farinha de empanar. Frite e sirva imediatamente.

Almofadinha Doce (Serve 30 unidades)

Ingredientes:

500gr de tapioca grão fino

1 litro de leite

500gr de queijo coalho ralado

400gr de doce de leite firme

100gr de amido de milho

óleo para fritar

açucar e canela para empanar

Modo de Preparo:

Em uma leiteira ferver o leite. Misture a tapioca com o queijo em uma tigela e escaldar com o leite. Mexa sem parar por uns dois minutos até que toda a tapioca esteja hidratada a e forme uma massa homogênea.

Estenda a massa sobre um plástico filme e cubra com outra parte de plástico. Com o auxílio de um rolo abra a massa. Corte-a em círculos de 10cm ou retângulos. Recheie com uma colherada de doce de leite e dobre a massa para fechá-la. Aperte bem as bordas para que o recheio não vazar. Empane no amido de milho e frite. Passar no açucar e canela antes de servir.

Sobremesa do Bem recheado de doce de leite quentinho, com açucar e canela. Imagina só!

Sobremesa do Bem recheada de doce de leite quentinho, com açucar e canela e harmonizada com Electra. Imagina só!

DICAS:

  1. Para um bolinho sem glúten, utilize farinha de arroz ou fécula de batata para engrossar a massa e farinha de mandioca para empanar;
  2. A feijoadinha pode ser feita antes ou até mesmo utilizada as sobras de uma feijoada já pronta.
  3. Sobras de moqueca com farinha de milho para engrossar também viram um delicioso bolinho!

Amor com Comida se Paga! [Casquinha de Siri]

Sou uma grande chantagista quando o assunto é comida. Eu sei que é péssimo. Mas sou assim! E meu filho herdou isso de mim. A sorte é que ele só me pede coisas boas! Chantagem saudável. Chantagem do bem! 😉

Vocês se lembram daquela salada linda e cheia de amor que o meu filhote preparou para mim há uns tempos atrás? Então. Eu sabia que não ficaria barato. O pequeno veio estes dias dizendo que estava com saudades da praia… do mar… do surf… e da casquinha de siri da barraquinha. Mas não exatamente daquela que ele comeu por lá que não era tão boa quanto a minha… E que ele tinha feito uma salada tão deliciosa outro dia aí no jantar, que merecia que eu realizasse o seu pedido!

Não estou dizendo que a chantagem é do bem? Ou estou criando um monstro? Mas pedindo assim, quem resiste?

Estas foi uma das receitas que aprendi com a minha mãe. Na casa dela, casquinha de siri era comida de Ano Novo. Todos os anos, lá na Praia Grande, a entrada da grande Ceia era a deliciosa casquinha. Mas como éramos sempre um batalhão eu me lembro que ela batia no liquidificador leite de coco com pão de forma para engrossar o caldo – e aumentar o rendimento!

A minha versão, ao contrário, serve o suficiente para 4 pessoas e vai quase nada além da carne de siri.

E já vou avisando que é uma opção para qualquer dia. Não precisa esperar pelo Reveillon para se deliciar nem por uma boa chantagem! 😉

Quem sabe para a Sexta Feira Santa esta não seja a entrada ideal?

Casquinha de Siri (Serve 4)

 

Para que esperar pelo Reveillon para se deiciar

Para que esperar pelo Reveillon para se deliciar

Ingredientes:

1/4 de xícara de azeite de oliva

2 colheres de sopa de azeite de dendê

1 cebola picada finamente

2 dentes de alho picados finamente

1 pimenta dedo de moça picada finamente (opcional)

500gr de carne de siri limpa (eu uso a congelada da marca Santa Luzia, quando não encontro fresca na Peixaria N. Sra. de Fátima, do Mercado de Pinheiros)

4 tomates concasse* picado (ou 1 lata de tomate pelado – só o tomate, sem o molho, picado)

1 xícara de leite de coco

1 colher de chá de sal

pimenta do reino a gosto

1/4 de xícara de cebolinha picada

1/4 de xícara de coentro picado

2 fatias de pão de forma triturados

2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado.

Uma coleção de conchas que fui adquirindo através dos tempo. Linda!

Uma coleção de conchas que fui adquirindo através do tempo. Linda!

Modo de fazer:

Em uma panela grande de fundo grosso, aqueça os azeites e refogue a cebola, em fogo baixo, até murchar. Acrescente o alho e a pimenta e frite, mas sem deixar dourar, uns 2 minutos.

Acrescente a carne de siri e refogue até pegar uma coloração branca e rosada. Junte os tomates e o leite de coco e deixe cozinhar por 5 minutos com a panela semi tampada até que o caldo que se formou seja absorvido. Caso você queira a casquinha mais líquida e cremosa cozinhe por 4 minutos. Eu gosto mais sequinha.

Acrescente o sal e a pimenta e prove o tempero. Ao final, junte as ervas e misture bem. Distribua a mistura nas conchas ou ramequins e polvilhe a farinha de pão e o queijo parmesão e leve para gratinar. Sirva em seguida.

DICAS:

  1. A cobertura pode ser feita com farinha de mandioca para quem tem alergia a glúten;
  2. Caso não encontre, ou não goste de carne de siri, camarões bem miudinhos podem ser usados. Fica delicioso!
  3. Já vi por aí umas casquinhas comestíveis feitas de massa de torta! É uma ideia!

* Concassé, vem do francês concasser, que significa  triturar ou moer. Este termo é particularmente aplicado aos tomates, onde o tomate deve estar sem casca e sem sementes e picadas grosseiramente. Para retirar facilmente a pele dos tomates, faça um X na parte de baixo e mergulhe-os por 1 minuto em água fervente e depois coloque-os imediatamente em água com gelo para parar o cozimento.

Chantagem de uma terça feira a noite!

Chantagem de uma terça feira a noite!