Dê-me carinho e eu saberei como retribuir! [Bolo de Iogurte e Lavanda]

Ontem eu tive um dia bem pesado… Na verdade, a chatice começou na madrugada de sábado. Meu filho acorda, vai ao meu quarto choramingando de dores pelo corpo e quando vou fazer-lhe um cafuné, sinto a criança ardendo em febre! Qual a mãe que não sofre vendo sua cria num estado desses?

Passei a manhã no pronto atendimento esperando o resultado do exame de dengue que veio negativo. Ufa! Durante todo o tempo desejava que aquilo não estivesse acontecendo com ele, mas sim comigo. Sou mais forte, mais “super herói”. Isso é o que eu pensava até a gripe me pegar de jeito e meu “desejo” ser atendido! 😦

Logo após o almoço eu já sentia a garganta inflamada, o corpo doendo e eu sento acometida por um mal estar horrível. Capotei. Em questão de horas era eu a chorona que estava desesperada por um cafuné, por carinho (por amoxilina!). E ganhei! Não há sensação melhor do que ser mimada, ser abraçada e acolhida como se o mundo pudesse acabar, mas você não fizesse parte dele.

Acordei bem e disposta – claro que a nimesulida teve uma boa parte de contribuição, mas prefiro pensar que foi o colo e a acolhida! Fui logo fazer o que me conforta muito. Um bolo simples como um abraço, mas com um toque que lhe transformou em algo especial assim como meu cafuné!

Bolo de Iogurte e Lavanda (Serve 10 fatias)

Carinho e delicadeza em forma de alimento

Carinho e delicadeza em forma de alimento

Ingredientes:

3 ovos grandes, preferencialmente orgânicos

170gr de iogurte (1 pote)

a mesma medida do copo de iogurte de óleo vegetal (usei canola)

1 xícara de açúcar (eu usei demerara orgânico)

2 xícaras de farinha de trigo para bolo*

1 colher de sopa de fermento químico

1 colher de sopa de sementes de lavanda, levemente maceradas (usei a lavanda porque esta flor me transmite tanta tranquilidade, carinho, afeto. Todo o necessário para o dia de hoje!)

Quem dera um dia o perfume exceda os limites da tecnologia...

Quem dera um dia o perfume exceda os limites da tecnologia…

Modo de Preparo:

Aqueça o forno a 180 graus.

No liquidificador coloque os ovos, iogurte, óleo e o açúcar e bata em velocidade média por 2 minutos até obter uma mistura bem aerada.

Em uma tigela peneire a farinha de trigo para bolo e o fermento; peneirar a farinha faz com que ela fique mais aerada e deixará o bolo mais leve. Acrescente as sementes de lavanda. Junte a mistura líquida à mistura de farinha aos poucos e vá incorporando com uma espátula mexendo de baixo para cima.

Despeje a mistura em uma forma untada com manteiga e enfarinhada. Eu usei 2 formas de bolo inglês de 18,5 x 6 x 5,5cm.

Pôr do sol dentro do meu forno

Pôr do sol dentro do meu forno

Leve ao forno e asse por 35 minutos ou até que o bolo esteja dourado e bem assado. Faça o teste do palito. Respire fundo e sinta o delicioso aroma da lavanda! Deixe o bolo esfriar sobre uma gradinha e desenforme-o frio.

Bolo fofo, macio e aerado. Vale um abraço!

Bolo fofo, macio e aerado. Vale um abraço!

DICAS:

  1. * Para fazer sua farinha de bolo: para cada xícara de farinha de trigo, substitua 2 colheres de sopa de farinha contida na xícara por amido de milho. Isto te dará um bolo mais leve e fofo porque conterá menor quantidade de glúten;
  2. O que mais adoro nesta receita é que esta é uma base para diversos sabores de bolo. Se você tirar a lavanda terá um mundo de possibilidades para criar. Pode-se adicionar frutas, especiarias, chocolate… Veja só esta receita de bolo mármore com a mesma base
  3. Se quiser também pode fazer uma cobertura de casquinha de açúcar de confeiteiro com água. Para cada xícara de açúcar coloque 1 colher de sopa de água fervente e vá testando a espessura desejada, adicionando mais água, se necessário. Omita a lavanda da massa e coloque-a na cobertura.

ComidaTerapia

Há dias em que tudo o que precisamos é um colo, um abraço ou um bom prato de sopa.

Foi assim comigo, ontem. Talvez pelo dia cinza, por toda garoa que peguei e pelo frio que senti pois não imaginava aquela tarde de inverno no início do outono quando saí de casa. Ou ainda pelo “tapa com luva de pelica” que levei da terapeuta…

Olhar as pessoas dentro de suas identidades, ou ainda “calçar os seus sapatos” não é uma tarefa fácil. Exige compreensão e acima de tudo abdicação do ser, em no mínimo 50% daquilo que somos. Ontem pensei muito na expressão: “Quero ter razão ou ser feliz?”. E a resposta não veio. Lutei contra uma parte de mim que queria somente ser feliz, mas mais ainda com a outra que insistia em demonstrar que, desta vez pelo menos (!) ter razão era também ser feliz…

E a garoa continuava a me castigar. O jeito foi deixar todo este pensamento para depois e partir para o que de verdade me conforta, depois, claro de um colo e um abraço!

Sopa de Feijão de Mãe (Serve 4)

Conforto como colo de mãe!

Conforto como colo de mãe!

Observação: Esta é uma receita da minha mãe. Resolvi não fazer nenhuma adaptação, exceto pelo “cubo” de caldo de carne que ela usava e eu me recuso! Ela media tudo em uma tigelinha que tínhamos em casa. Daquelas antigas, já lascada na borda… Eu usei o equivalente em xícaras ou gramas para que a receita ficasse mais fácil para preparar, caso você não tenha esta tigelinha lascada!

Ingredientes:

1 colher de chá de azeite de oliva

300gr de músculo, limpo e cortado em cubos de 2cm

1/2 cebola

1 folha de louro

2 cravos da Índia

talos de salsinha*

4 dentes de alho, descascados

1 e 1/2 xícaras de cenoura cortada em cubos de 1cm (aprox 1 cenoura grande), reserve as cascas

1 e 1/2 xícaras de vagem macarrão cortadas em pedaços de 1cm (aprox ), reserve as pontas

1 e 1/2 xícaras tomates concassé cortados em pedaços de 1cm (aprox 3 tomates)

1 xícara de feijão carioca cozido

1 raminho de manjericão (reserve umas folhinhas para decorar)

1 xícara de macarrão Padre Nosso para sopa

1 colher de chá de sal

pimenta do reino moída na hora

azeite extra virgem para servir

Brincar com a comida às vezes pode!

Brincar com a comida às vezes pode!

Modo de Preparo:

Na panela de pressão aqueça o azeite, junte os cubos de carne e deixe fritar por 2 minutos. Mexa e vire a carne para que doure do outro lado por mais 2 minutos, sempre com fogo alto. Espete os cravos na cebola e, em uma musseline de cozinha, ou gaze coloque a cebola, o louro, os talos de salsinha, as cascas de cenoura e as pontas da vagem**. Amarre com um barbante de cozinha e coloque na panela. Junte os dentes de alho e 3 xícaras de água e leve para ferver. Assim que ferver, retire a espuma que se forma na superfície e tampe. Quando pegar pressão (começar a chiar) conte 20 minutos e desligue.

Quando sair toda a pressão abra a panela, retire o sachê de aromáticos e separe 1 xícara do caldo da carne. Junte a cenoura, a vagem e os tomates e retorne ao fogo baixo, deixando ferver por 10 minutos.

No liquidificador bata o feijão com as folhas de manjericão e o caldo da carne até ficar bem líquido sem grumos. Acrescente este caldo à carne, junte o macarrão e cozinhe por mais 5 minutos mexendo sempre para que o macarrão não grude no fundo da panela.

Tempere com sal e pimenta do reino e sirva em seguida.

Eu gosto de decorar com umas folhinhas de manjericão e um fio de azeite extra virgem.

Regue com azeite extra virgem para ressaltar os sabores. Eu usei o Deleyda Premium.

Regue com azeite extra virgem para ressaltar os sabores. Eu usei o Deleyda Premium.

DICAS:

  1. * Sempre que usar salsinha, guarde os talos e congele. Eles dão muito sabor a qualquer caldo, água para cozinhar macarrão, ou até num suco verde. As folhas da salsinha, quando fervidas por muito tempo amargam. Por isso use-as somente no final das preparações;
  2. ** Este sachê facilita muito  quando os legumes ou ervas e especiarias precisam ser retirados do caldo. Tenha sempre a mão gaze e barbante. Se quiser já pode até deixar uns prontos com ervas secas, pimentas, canela, cravo e guardar em um pote hermético em lugar seco.

    Sachet d'epice, em francês. Um facilitador na cozinha!

    Sachet d’epice, em francês. Um facilitador na cozinha!

Histórias Cruzadas [Bolinhos de Chuva da Tia Anastácia]

Hoje não estava nos meus planos escrever, muito menos cozinhar logo cedo. Mas a chuva me “prendeu” em casa. Vários fatores conjuminaram para este post e para esta receita, além da chuva, para ser bem sincera.

Ontem meu filho foi ao estádio de futebol ver o time do coração e voltou muuuito tarde. Eu desaprovo, mas o pai – também um torcedor “roxo”, quer me convencer de o ato de levá-lo ao estádio no meio da semana, em dia de escola, voltar de madrugada, também está ajudando a formar “o homem” que ele será. Ã??? Será que eu estou tão por fora assim? Ou sou tão radical? Não sei. O que sei é que tinha uma criança envolvida num sono profundo as 8 da manhã e muita chuva caindo lá fora. Dá pra ser mais gostoso? Sim, dá!

Na segunda-feira recebi uma doação bacana de muitos livros, dentre eles de culinária, turismo, moda e saí pela cidade distribuindo este presente. Os livros de culinária – confesso que fiquei com dois, mas 1 será um presente – fui entregar na sede do Instituto Chefs Especiais, que é uma instituição incrível onde chefes de cozinha, voluntariamente, dão aulas para pessoas com síndrome de Down. (Clique no link para saber mais sobre este trabalho especial que a Simone o Márcio fazem por lá)

Ao tirar uma das caixas do carro, uma revista caiu em cima dos meus pés. Coloquei-a de volta na caixa e ao entregar a caixa para o pessoal do instituto esta mesma revista caiu novamente, mas desta vez aberta na página da receita que hoje divido com vocês. Achei que a revista deveria ser minha. Até porque neste momento chovia muito!

E é aí que as histórias todas se cruzam! Por que não preparar estes deliciosos bolinhos de chuva para o café da manhã do meu “homenzinho em formação” que dorme profundo nesta manhã chuvosa?

Lá fui eu para a cozinha!

Bolinhos de Chuva da Tia Anastácia (Serve 24 bolinhos)

Será que este carinho todo não ajuda na formação do nosso homenzinho, tb? #maecoruja

Será que este carinho todo não ajuda na formação do nosso homenzinho, tb? #maecoruja

*Esta receita foi publicada na Revista Gosto 25 – Outubro de 2011 – fiz pequenas adaptações

Ingredientes:

1 1/2 xícaras de farinha de trigo

1/2 xícara de farinha de trigo integral

1/2 colher de sopa de fermento em pó

2 pitadas de sal

2 ovos

1/3 de xícara de açucar demerara

2 colheres de manteiga

1 colher de chá de essência de baunilha

1 xícara de leite integral

1 xícara de iogurte

Óleo para fritar

Açúcar e canela para polvilhar

Modo de Preparo:

Em uma tigela peneire as farinhas com o fermento e o sal.

No liquidificador bata os ovos com o açucar por 1 minuto. Acrescente os demais ingredientes e bata até obter uma mistura volumosa.

Aos poucos vá incorporando essa mistura às farinhas para formar uma massa lisa e homogênea. É preciso bater bem para deixar a massa aerada. Deixe a massa descansar por 30 minutos na geladeira. Estes são os segredos da leveza dos bolinhos!

Tia Anastácia, me perdoe, mas adaptei um pouquinho a sua receita...

Tia Anastácia, me perdoe, mas adaptei um pouquinho a sua receita…

Coloque abundante oleo vegetal para aquecer em uma panela. Com auxílio de duas colheres de sopa (eu utilizei uma colher de sorvete) faça bolinhas e frite-as, virando sempre para que dourem por igual. Mantenha o fogo baixo para que a temperatura não se eleve e os bolinhos fiquem crus por dentro.

Retire-as do oleo e deixe escorrer sobre papel absorvente. Passe no açucar e canela e coma ainda morno olhando a chuva pela janela de casa…

“Em Viagem ao Céu, Tia Anastácia passa uma temporada na Lua preparando seus bolinhos celestiais para São Jorge e só volta ao sítio, para desgosto do Santo, porque morre de medo dos bafos do dragão.”

Chuva lá fora, chuva aqui dentro!

Chuva lá fora, chuva aqui dentro!

DICAS:

  1. Outros sabores podem ser incorporados à massa como raspas de laranja, essência de amêndoas, até mesmo pedacinhos de banana.
  2. Caso não queira fritar, esta é a mesma massa para as panquecas americanas. Unte uma frigideira com manteiga e espalhe a massa. Deixe cozinhar por 5 minutos de cada lado em fogo baixo.

Bolo de Maçã para ganhar um sorriso

0-2Dizer que minha vida é uma montanha russa seria redundante aqui. Acho que em dos 50 posts que escrevi 49 falam disso!

Estou numa loucura sem fim, prestes a realizar mais um projeto. Dentro de 1 mês devo inaugurar uma loja de produtos gourmet, o Romã Armazém Gourmet. Comidas deliciosas, práticas e prontas para levar, preparadas por mim e minha sócia Manoela e mais um monte de coisinhas bacanas para qualquer apetite voraz. Por isso o sumiço… Ser empreendedor no Brasil, atualmente, é uma questão de amor, garra e vencer obstáculos! Ninguém vira empreendedor para ganhar dinheiro. É por puro amor, mesmo! Mais para frente conto mais detalhes!

E claro que isso tudo gerou muitas crises de insônia e estresse. Ontem acordei no meio da noite para vasculhar o livro de receitas da minha mãe, que agora é meu, para procurar uma receita de biscoitinhos que ela me pediu. Foi aí que dei de cara com uma receita de bolo de maçã que me lembrou a infância!… Ô memória boa! Senti até aquele cheirinho de açucar e canela perfumando a casa!

Lendo a receita com cuidado percebi o quanto ela é simples e rápida. Aqueles bolos de mãe, sabe? Prá ganhar um sorriso no meio da tarde e sentar com uma xícara de chá jogando conversa fora!

Bolo de maçã

3 maçãs gala grandes com casca sem sementes cortadas em 8 (eu adoro este utensílio!!!!!!) apple_slicer_01

1 xícara de açucar demerara

1 xícara de óleo de girassol

1 xícara de amendoas inteiras

3 ovos grandes, de preferência orgânicos

2 xícaras de farinha de trigo

1 colher de sopa de fermento em pó

1 pitada de sal

Açucar e canela para polvilhar

Aqueça o forno a 180 graus e unte com manteiga e farinha uma forma para bolos de buraco no meio.

No liquidificador bata as maçãs, o açucar, o óleo e as amêndoas até virar um purê grosso (eu, particularmente gosto de textura no bolo; então deixei os pedaços de maçã e amêndoas com cerca de 0,5 cm). 0-1

Acrescente os ovos e continue batendo por mais 1 minuto.

Em uma tigela grande peneire a farinha, o fermento e o sal. Misture o creme de maçãs com a farinha e coloque na forma.

Leve ao forno para assar por 40 minutos até dourar.

Deixe esfriar sobre uma gradinha. Desenforme ainda morno e polvilhe o açucar e a canela.

Você pode acrescentar uvas passas, cravo e canela moídos na massa, usar açucar mascavo… Crie. O céu é o limite! Só não se esqueça de anotar no teu caderno de receitas a tua versão!

0