O que os olhos não vêem o estômago ainda assim sente! [Tagine de Frango com Limão Siciliano em Conserva]

Esta receita eu não iria postar. Não agora, na verdade. Não tirei as fotos da preparação, como gosto de postar, e as fotos do prato não me agradaram. Ficaram muito duocromáticas. Não estava feliz. Eu fiz na semana passada mas o frango não saia da minha cabeça. Por duas razões bem simples. Porque ficou DE LI CI O SO e porque resolvi fazer esta receita, que apesar de ser uma favorita aqui em casa já fazia muito tempo que não preparava, a pedido de uma amiga. E não é uma amiga qualquer.

Conheci a Pimenta na Cozinha numa fase de auto afirmação da minha vida. Havia acabado de “virar a mesa do meu escritório”, da minha casa, da minha zona de conforto. Troquei de carreira, de casa, de cidade. E estava prestes a abrir meu primeiro negócio; dormi advogada e acordei empresária de um negócio de alimentação. Ah!… Como a vida é diferente quando não se tem filhos, compromissos financeiros, responsabilidades futuras! Será?

Mas voltando ao aqui, a Pimenta foi uma pessoa que me ajudou muito quando estava testando meu modelo de negócio lá em Curitiba. E foi afinidade no primeiro encontro. Adorávamos a cozinha, nossos maridos os vinhos, nós quatro, viagens e ninguém ainda tinha filhos. Viramos uma dupla de quatro quase que inseparáveis. Quando não estávamos almoçando as massas caseiras na casa dela, era o Natal lá em casa. Até hoje, um prato inesquecível para meu marido são lulas recheadas de couscous marroquinho que ela diz ter preparado de improviso uma noite qualquer! Logo vieram os filhos (se meu filho não tivesse adiantado para nascer, nasceria exatamente no mesmo dia do seu filho, 1 ano depois) e nossa separação. Me mudei de Curitiba mas nós seis sempre mativemos contato. Eu queria vê-la muito mais do que realmente acontece e sempre fico com o coração apertado de saudades – como agora, sua bandida. Aposto que está lendo e soltando aquele sorriso contagiante!

Mas o mundo virtual foi muito generoso conosco. Ela, depois de vencer a timidez, resolveu colocar em um blog as delícias de sua cozinha. E é assim que eu recordo nossos encontros gastronômicos e uma felicidade me preenche devagarinho…

Há alguns dias ela postou uma receita de conserva de limões sicilianos. Eu conheci esta conserva quando já morava em Londres. Minha amiga, que hoje mora lá na África, a Geisa, me falou sobre um frango que ela comeu na casa de outra amiga casada com um marroquino. Curiosa que sou fui atrás e aprendi a fazer. Sempre tenho um pote na minha geladeira. Dura prá sempre.

E ao ver a receita no blog Pimenta na Cozinha, comentei que esta conserva fica deliciosa com frango e azeitonas e ela me pediu para compartilhar a receita. Aqui está, minha grande amiga. Ainda sem ter a foto do jeito que eu gostaria não poderia ser egoísta a este ponto porque o que os olhos não vêem o estômago ainda assim sente!

Tagine de Frango Com Conserva de Limão Siciliano e Azeitonas (Serve 4)

*Esta é uma adaptação de receitas de Yotam Ottolenghi e Claudia Roden

Um brinde às delícias da vida. Seja ela um prato ou uma amizade duradoura!

Um brinde às delícias da vida. Seja ela um prato ou uma amizade duradoura!

Ingredientes:

1 colher de sopa de azeite de oliva

1 cebola grande fatiada finamente

1 cabeça de alho, dentes separados

1 colher de sopa de cúrcuma

1 colher de sopa de zaatar

4 sobrecoxas de frango, preferencialmente orgânico

sal e pimenta do reino, a gosto

1/4 de xícara de caldo de frango ou água

1/2 limão siciliano em conserva, fatiado – receita aqui

1/2 xícara de azeitonas verdes ou pretas – eu usei azeitonas recheadas de queijo feta da marca Byblos. São maravilhosas e combinaram perfeitamente como prato.

salsinha e coentro picado, a gosto

Uma receita unindo duas amigas!

Uma receita unindo duas amigas!

Modo de preparo:

Aqueça o forno a 180 graus

Em uma assadeira, aqueça o azeite e refogue a cebola e o alho em fogo baixo até murcharem, por uns 10 minutos. Acrescente a cúrcuma e o zataar e misture bem. Coloque os pedaços de frango e tempere com sal e pimenta. Não muito porque a conserva de limão e as azeitonas que serão adicionadas posteriormente já são salgadas. Acrescente o caldo de frango, cubra com papel alumínio e leve para assar por 40 minutos.

Após esse tempo, retire o papel alumínio e aumente a temperatura para 200 graus. Coloque a conserva de limão e as azeitonas ao redor do frango e volte ao forno por mais 15 minutos. Assegure-se de que a carne esteja cozida. Se tiver um termômetro a parte interna da sobrecoxa deve marcar 70 graus. Ou faça um furo com um palito de churrasco. O líquido que sai da ave deverá ser claro e não ter traços de sangue.

Polvilhe com a salsinha e o coentro e sirva imediatamente. Um simples couscous marroquino é o par perfeito para completar este Tagine.

Sabor das Arábias na sua Cozinha da maneira mais fácil possível!

Sabor das Arábias na sua Cozinha da maneira mais fácil possível!

DICAS:

  1. Caso não tenha estes temperos à mão pode-se substituir por cominho e pimenta síria;
  2. Peito de frango também poderá ser usado, mas diminua o tempo de cocção para 30 minutos;
  3. Quer uma dica para deixar o alho mais suave? Faça furinhos com um palitinho nos dentes ainda na cabeça. Leve ao microondas por 30 segundos. Ficarão macios e sem o gosto forte!

Chukran, h’abibe! [Kibbeh Assado com Cebolas Crocantes e Pinole]

NÃO! Este post não tem nada que ver com a novela o Clone. Ele trata da boa comida libanesa e para ser autêntica, também, usei meus poucos, ou quase nulos, conhecimentos da lingua árabe!

A melhor comida líbanesa que comi na minha vida não foi em nenhum restaurante. Foi na casa da Dona Loriz Chammas, a mãe da Amira que muitos dos que estão lendo este post, agora, devem se lembrar.

Era uma delícia quando a Amira convidava todo mundo do escritório para comer Shish Barak, avisando que sua mãe havia passado toda a manhã preparando um a um dos capeleti (NUNCA diga capeleti para um libanês – porém eu nem sei como chamar esses dumplings!) que comeríamos naquele dia. E claro que não era só isso que a D. Loriz preparava. A mesa era farta e deliciosa. As esfihas eram um manjar do Deuses. Ah… Como passava bem esta minha amiga!

Estas memórias já têm uns bons 13 anos e desde então sigo buscando o sabor da pimenta síria por ai…

Quando morei em Londres meu marido me presenteou com um lindo livro de comida árabe (ele sempre me faz isto!) “Arabesque – A taste of Morocco, Turkey & Lebanon”, Claudia Roden. Neste livro estão todas as receitas que D. Loris cozinhava e mais um montão de pratos marroquinos e turcos. Confesso que o Shish Barak só tentei uma vez e por falta de ingredientes legítimos não tive muito sucesso!

Mas o prato mesmo que adoro cozinhar e já tenho a receita na cabeça, e o sabor na boca, é o quibe assado. Este quibe é delicioso, é autêntico. Me perdoem vocês que adoram o quibe da padaria. Eu também adorava até que comi este. Até que descobri que a receita que vem escrita atrás do pacote do trigo da Yoki é uma enganação! Hoje, prá mim, quibe é feito de carne – de cordeiro! – e o trigo é um mero coadjuvante na receita!

Oukla chahiya!!

Kibe assado com cebolas e pinoles (Serve 6)

Kibbeh Saniyeh

125 gr de trigo para kibe

1 cebola média, cortada em 4

500 gr de carne de cordeiro, da parte da perna, moída

1 colher de chá de sal

1 coher de chá de pimenta síria

pimenta do reino, o quanto baste

2 colheres de sopa de azeite de oliva

500 gr de cebola fatiadas finamente

3 colheres de sopa de azeite de oliva

50 gr de pinoles

1/2 colher de chá de canela moída

1 pitada de pimenta síria

sal e pimenta, o quanto baste

1/2 colher de sopa de melaço de romã ou sumac (opcional)

Aqueça o forno a 190 graus.

Enxague o trigo com uma peneira bem fina. Eu forro a peneira com uma gaze de cozinha pois minha peneira não é tão fina assim! Não necessita deixar de molho. Escorra e seque bem, espremendo a gaze. Reserve.

Em um processador de alimentos pique a cebola até formar um puré. Acrescente a carne, o sal, pimentas, e misture. Acrescente o trigo. A receita original pede para processar até formar uma pasta. As vezes faço assim, outras apenas misturo e deixo uns pedaços de carne. Você decide!

Com suas mãos aperte essa mistura em uma assadeira de aproximadamente 11 cm de diâmetro já untada com azeite . Unte a superfície do kibe com as 2 colheres de azeite de oliva. Passe uma faca nas laterais da assadeira para “soltar” o kibe antes de levá-lo para assar. Asse por aproximadamente 30 minutos ou até que o kibe esteja dourado.

Enquanto o kibe assa, prepare a cobertura. Frite as cebolas no azeite de oliva deixando-as dourar e ficar com uma aparência crocante, mas sem queimar. Acrescente os pinoles e mexa até que fiquem dourados. Adicione o sal, as pimentas, e a canela. Misture. Se optar por usar, adicione o melaço de romã ou o sumac.

Cubra o kibe já assado com essa cobertura e sirva com coalhada seca. Eu exagero!