#Coletivo Gastronômico no Aniversário de São Paulo [Feijão Tropeiro]

O primeiro post do #ColetivoGastronômico de 2017 não poderia ter outro intuito a não ser homenagear nossa querida metrópole. Hoje, para comemorar seus 463 resolvemos recriar receitas deliciosas que marcam todo a história culinária da cidade.

Eu fui lá atrás fazer umas pesquisas no século 17! E me deparei com a delícia do feijão tropeiro que era a alimentação básica das tropas que, desde o período colonial, transportavam as mais diversas mercadorias a cavalo ou em lombos de burros. Os homens que guiavam esses animais eram chamados de tropeiros. Traziam para São Paulo o gado do interior do país e voltavam carregados mandioca, bugigangas e badulaques.

A alimentação dos tropeiros era constituída basicamente por toucinho, feijão, farinha, pimenta, café, fubá e coité, um molho de vinagre com fruto cáustico espremido. Nos pousos, comiam feijão quase sem molho com pedaços de carne de sol e toucinho, que era servido com farofa e couve picada. Entendeu?? 😉 Tomavam um pouco de cachaça para evitar constipação e como remédio para picada de insetos.

Além de uma receita deliciosa e reconfortante, escolhi o feijão tropeiro para homenagear a cidade de São Paulo, pois, ainda pouco conhecidos pela população, os tropeiros vêm ganhando reconhecimento e podem virar Patrimônio Imaterial, pelo Iphan, e até Patrimônio Cultural da Humanidade, pela Unesco. Para isso, será criado um banco de dados com diversas informações sobre a influência do tropeirismo. A ideia é que ali seja criado um centro de referência e documentação, aberto para pesquisas sobre o tema. Conhecimento nunca é demais! Agora, bora encher o bucho!

Feijão Tropeiro Paulistano (Serve 4)

Em homenagem a maior metrópole do país

Em homenagem a maior metrópole do país

Ingredientes:

500g de feijão carioquinha (ironia!!) cozido (reserve o caldo)

400g de carne seca

200g de bacon (eu usei o Bacon Extra Primor)

1 cebola cortada em cubinhos

3 dentes de alho picados

150g de linguiça (eu usei a linguiça portuguesa picante Primor)

1 maço de couve manteiga fatiada finamente

1 xícara de farinha de mandioca flocada

Sal e pimenta do reino a gosto

Cheiro verde

Pimenta de cheiro

3 ovos cozidos – Veja DICA

Não economize nos ingredientes. Os melhores te darão o melhor prato

Não economize nos ingredientes. Os melhores te darão o melhor prato

Modo de Preparo:

A primeira coisa a ser feita é cozinhar o feijão. Meu feijão estava bem novinho por isso não deixei de molho. Cozinhei na panela de pressão juntamente com a carne seca para aproveitar e dar sabor. Reservei o feijão e seu caldo e desfiei a carne.

Coloque uma panela de ferro ou de fundo grosso na boca do fogão mais forte que tiver. Acrescente o bacon e frite bem até ficar dourado, até queimadinho. O meu bacon tinha pouca gordura, por isso acrescente um tiquinho de banha de porco que tinha na geladeira. Você pode usar azeite, se precisar.

O aroma do bacon fritando é vida!

O aroma do bacon fritando é vida!

Na mesma panela acrescente  a cebola e o alho e abaixe o fogo e deixe suar, mexendo de vez em quando para não queimar (se você estiver usando uma linguiça fresca acrescente a linguiça agora, antes da cebola e alho e frite antes).

Em seguida acrescente a linguiça cortada em rodelas e frite bem. Ela vai soltar uma gordura avermelhada porque contém páprica em sua receita. Isso dá um sabor incrível no feijão.

Em homenagem aos portugueses que vieram tentar a vida por aqui usamos linguiça portuguesa!

Em homenagem aos portugueses que vieram tentar a vida por aqui usamos linguiça portuguesa!

A próxima a entrar na panela é a carne seca desfiada. Apesar de estar cozida, eu gosto de fritar até ficar dourada e crocante. Se precisar acrescente mais um pouco de gordura ou azeite.

Agora está na hora de cozinhar os ovos. Você pode acrescentá-los na mesma panela e fazê-los mexidos nesta confusão toda! Mas, por que aqui adoramos ovos cozidos com a gema quase mole, e por estética da foto 😉 resolvi cozinhá-los a ponto médio – veja DICAS.

A couve entra rapidamente, bem espalhadinha, para não embolar. E eu gosto dela verdinha e não toda mucha. Por isso mexa bem e seja rápido.

Parece muito mas não é! ;)

Parece muito mas não é! 😉

Já está na hora do feijão entrar nesta panela. Acrescente o feijão e um pouco do caldo. Isso fará com que o fundo da panela que está todo grudado solte e preencha o seu cozido de sabor. E também ajuda a ficar mais molhadinho. Eu gosto mais do feijão meio “tutu” do que farofa.

Por último vai a farinha. Eu nem usei toda a quantidade de 1 xícara. Fui colocando aos poucos até atingir uma consistência “seca mas molhadinha”, um pouco mais que angu e antes de virar farofa.

Temperei com pouco sal porque as carnes já eram bem salgadas, pimenta do reino moída na hora e um tanto de cheiro verde.

Na hora de servir coloque os ovos cozidos cortados ao meio e uma generosa porção de pimenta de cheiro.

Sirva com uma boa pinga!

Pimenta, pinga e berrante! Toca-lhe!

Pimenta, pinga e berrante! Toca-lhe!

DICAS:

  1. Uso uma técnica infalível para cozinhar os ovos – Coloque os ovos refrigerados em uma panela e cubra com água fria até cobrí-los com cerca de 2,5cm de água. Leve para ferver completamente (100 graus C) em fogo alto e, em seguida, retire a panela do fogo deixando cozinhar usando o calor residual na água. Como a temperatura do ovo aumenta, a temperatura da água cai, o que lhe dará uma tempo maior e um cozimento mais lento para o cozimento perfeito:
  • 2 minutos – A clara não está totalmente firme e a gema estará totalmente crua.
  • 4 minutos – A clara estará cozida, mas a gema estará espessa e líquida.
  • 6 minutos – A clara estará totalmente cozida e a maior parte parte da gema estará cozida, mas ainda um pouco líquida no meio.
  • 8 minutos – A clara e a gema estarão totalmente cozidas, mas suave.
  • 10 minutos – A clara e a gema estarão totalmente cozidas e duras.

Lembre-se de transferir seus ovos para água gelada, logo que retirá-los da panela para parar o cozimento imediatamente. Caso contrário, os seus ovos continuarão cozinhando mesmo depois de os ter retirado da água.

E nos links abaixo você encontra outras deliciosas receitas da turma do Coletivo Gastronômico:

Cozinha da Gertrudes – Buraco Quente

Na Cozinha da Carina – Afogado e Farofa de Ovo

Azeitonas Temperadas – Cuscuz Paulista

O Tempero da Vida #ColetivoGastronômico [Cordeiro com Purê de Berinjela]

Adorei quando o tema da receita do mês do #ColetivoGastronômico foi escolhido. Comida de Cinema ou Série de Tv. Fico realmente apaixonada por filmes com envolvimento culinário. A Festa de Babette, Cheiro de Papaia Verde, Vatel, Chocolate, são alguns dentre muitos filmes que me deixaram grudada na tela do cinema e me fizeram pensar na vida como um grande banquete.

E eu escolhi um filme, que talvez muitos de vocês não conheçam. O Tempero da Vida, 2003, um filme greco-turco com uma história de vida lindíssima e tocante.

O filme retrata a história de uma família de gregos que vive em Constantinopla, na Turquia, mas é expulsa de lá e retornam a seu país de origem. Assim, o herói de nossa história, Fanis, crescerá, se tornará um grande cozinheiro e, 35 anos depois retornará a sua cidade natal.

O Tempero da Vida trata dos cheiros da memória, das lembranças da infância, do sabor e do perfume dos almoços nas casas dos avós. Daquele gosto nunca mais encontrado em outra época u em outro lugar… Usando a comida para falar de temas e sentimentos universais, o filme ainda consegue abordar a conturbada relação entre turcos e gregos, mostrando por meio da culinária as semelhanças entre as duas culturas de forma tão sutil quanto um inesperado toque de canela no preparo de simples almôndegas.

É um filme de partidas e retornos, despedidas e saudades, mas também de cheiros e cores, de sabores inusitados que nos deixam encantados. E de amor. Pela culinária, pelo país que o expulsou, por aquele que o acolheu, pela comida que une a todos no melhor e no pior. E como seria a culinária sem a presença dos temperos? Para o personagem marcante do filme, ela não teria o menor sentido. “Sem o perfume e o sabor das especiarias nenhuma receita pode revelar seu potencial espiritual”

Cordeiro com Purê de Berinjelas (Serve 4)

"Cheiros da Memória, Lembranças da Infância, Sabor e Perfume da Casa dos Avós"

“Cheiros da Memória, Lembranças da Infância, Sabor e Perfume da Casa dos Avós”

Ingredientes:

Para o Cordeiro:

3 colheres de sopa de azeite de oliva

700g de carne de cordeiro, preferencialmente pernil, em cubos (eu usei Quirós Gourmet, que para mim é a melhor!)

1 cebola pequena picada

2 dentes de alho

1 e 1/2 xícara de tomate pelado picado, com o suco

500ml de caldo de carne

5 galhos de salsa

5 ramos de tomilho

1 folha de louro

2 cravos da India

1 pau de canela

Sal e pimenta do reino a gosto

Para o purê:

2 berinjelas grandes

suco de 1 limão

2 copos de água

80g de manteiga

5 colheres de sopa de farinha de trigo

350ml de leite

120ml de creme de leite fresco

Sal e pimenta do reino a gosto

1/2 xícara de queijo gruyere ralado

Modo de Preparo:

Vamos começar por assar as berinjelas. Eu gosto de fazer na boca do fogão. Ficam queimadinhas e com um sabor de defumado delicioso. É só colocá-las direto na chama e deixar e “queimem”, virando todos os lados. Mas você pode embrulhar em papel alumínio e assar por 1 hora em forno alto, 200 graus.

Berinjelas vão à mesa todos os dias nas culinárias grego-turca

Berinjelas vão à mesa todos os dias nas culinárias grego-turca

Assim que estiverem assadas coloque-as em uma assadeira e deixe esfriar para poder manusear.

Então vamos á carne. Em uma panela grande que possa ir ao forno, aqueça o azeite e doure os cubos de carne até ficarem bem escuros. Junte a cebola e o alho e continue refogando por uns 5 minutos. Acrescente os tomates, o caldo de carne, as ervas e as especiarias. Deixe ferver e reduza o fogo ao mínimo e cozinhe por 1 hora ou até que a carne esteja bem macia. Você também pode fazer esta preparação no forno, a 190 graus.

O toque das especiarias perfumam toda a casa...

O toque das especiarias perfumam toda a casa…

Assim que as berinjelas estiverem frias descasque-as, retirando toda a pele e coloque em uma tigela com água e o suco do limão. Deixe de molho por 20 minutos. Retire da água e esprema bem para retirar todo o excesso de líquido. Pique-as em pedacinhos.

Macias e suculentas berinjelas...

Macias e suculentas berinjelas…

Em uma panela aqueça a manteiga e junte a farinha, mexendo sempre e cozinhe por 2 minutos em fogo baixo. Este é o roux muito utilizado para engrossar e base do molho bechamel. Adicione aos poucos o leite e mexa para não formar grumos. Junte a berinjela e deixe cozinhar por 5 minutos em fogo baixo. Junte o creme de leite e mexa até incorporar e os pedaços de berinjela se desfaçam no molho. Acrescente o queijo ralado e tempere com sal e pimenta.

Creme de queijo aveludado que abraçará toda a maciez da berinjela!

Creme de queijo aveludado que abraçará toda a maciez da berinjela!

Assim que a carne estiver macia, retire as ervas e especiarias do molho e sirva sobre o purê. Iyi Iştah

Conforta corpo e alma. É alimento para o coração <3

Conforta corpo e alma. É alimento para o coração ❤

E agora, pegue a pipoca e ligue a TV. Assista aos filmes indicados e anote as receitas!

Pegue a pipoca, ligue a TV e anote tudo no caderno de receitas!

Pegue a pipoca, ligue a TV e anote tudo no caderno de receitas!

Cozinha da Gertrudes – Sopa de Cebolas da Sra. Weasley – “Harry Potter”

O que temos hoje, Elisa? – Mississipi Mud Pie – “Histórias Cruzadas

Azeitonas Temperadas – Strudel de Maçã – “A Noviça Rebelde”

Better Call San – Torta de limão – “A Menina de Ouro”

Na Cozinha da Carina – Ratatouille – “Ratatouille”

Menu Criativo – Creme Brulee – “Amelie Poulain”

Maratona Star Wars [Pipocas Saborizadas]

Olá!!!

Finalmente as férias acabaram e eu estou de volta ao trabalho. Bem… Quase. Eu voltei de férias, mas ainda tenho uma criança ávida por diversão por aqui! Bons tempos em que os acampamentos ou a casa da vó faziam esta alegria.

Mas, não bastando ser mãe e tendo que participar, entre uma jornada de 4 horas e outra, resolvi alegrar as tardes do pequeno (que já está tão grande 😦 ) com uma maratona dos episódios da saga Guerra nas Estrelas – prá quem não sabe foi com este título que cresci assistindo Luke e Leia Skywalker. A idéia era assistir 2 filmes por tarde para conseguirmos ir ao cinema, ver o episódio 7 ainda no final de semana.

Mas outra guerra se formava na minha galáctica cozinha… Como conseguir que uma espoleta prestes a sair do gatilho aguentasse mais de 4 horas sentado, prestando atenção na complicada trama entre o bem e o mal, numa sequência dos filmes não tão lógica para iniciantes no treinamento Jedi??? [Fui orientada por sites geeks a assistí-los na seguinte ordem: IV, V, I, II, III e VI].

Deliciosas pipocas, a resposta é! diria nossa sábio Master Yoda.

E não é que funcionou??!!

Por aqui adoramos pipocas fresquinhas e feitas na hora na panela pipoqueira. Mas um temperinho a mais não te leva prô lado escuro da Força, não é mesmo? Ainda mais se juntar a criançada na cozinha, dando seu toque especial! Aí o bem vence o mal!!

Pipoca ao Natural (Rende 8 xícaras)

Ingredientes

2 colheres de sopa de azeite

1/2 xícara de grão de milho próprio para pipoca

1 pitada de sal

Modo de Preparo:

Para fazer pipoca no fogão, basta combinar 2 colheres de sopa de azeite, 1/2 xícara de grãos de milho e uma pitada de sal kosher em uma panela grande em fogo médio-alto. Tampe a panela e deixe cozinhar até que os grãos comecem a estourar, agitando ocasionalmente para garantir que os grãos ainda não estourados desçam para o fundo da panela. Quando o espaço entre um estouro e outro for maior que 2 segundos retire a panela do fogo e despeje a pipoca em uma tigela. Isto irá resultar em 8 xícaras de pipoca quentinha necessárias para cada receita abaixo.

Pipoca com Manteiga Queimada, Alecrim e Limão Sicilano (Serve 2)

Foto: KitchenKonfidence

Foto: KitchenKonfidence

Ingredientes

3 colheres de sopa de manteiga sem sal

1 colher de sopa de folhas de alecrim fresco picado finamente

1/2 colher de chá de raspas de limão siciliano

8 xícaras de pipoca pronta (vide instruções acima)

pitada de sal

pitada de pimenta do reino moída na hora

Modo de Preparo:

Em uma panela, aqueça a manteiga em fogo médio. Assim que a manteiga espumar, reduza o fogo e espere que comece a escurecer. Você vai notar pequenas partículas no fundo da panela. Mexa com freqüência durante este processo e não descuide; a manteiga pode queimar em alguns segundos! Assim que começar a exalar um delicioso aroma de nozes e estiver um tom dourado, cerca de 4 minutos acrescente o alecrim e as raspas de limão, em seguida, despeje sobre a pipoca quente, mexendo vigorosamente. Tempere a gosto com sal e pimenta do reino moída.

Pipoca Picante com Sriracha e Limão Tahiti (Serve 2)

Foto: KitchenKonfidence

Foto: KitchenKonfidence

Ingredientes

3 colheres de sopa de manteiga sem sal, derretida

2 colheres de sopa de molho de pimenta Sriracha

1/2 colher de chá de raspas de limão tahiti

1 colher de chá de suco de limão

8 xícaras de pipoca pronta (vide instruções acima)

pitada de sal

pitada de pimenta do reino moída na hora

Modo de Preparo:

Misture a manteiga derretida, o molho de pimenta, as raspas de limão e o suco de limão e despeje lentamente sobre a pipoca quente, mexendo vigorosamente. Tempere a gosto com sal e pimenta do reino moída.

Esta versão é mais úmida e deve ser consumida imediatamente. E é também a minha preferida! 😉

Pipoca Mexicana com Queijo e Coentro (Serve 2)

Foto: KitchenKonfidence

Foto: KitchenKonfidence

Ingredientes

1/4 de xícara de queijo mexicano cotija, esfarelado (pode ser substituído por queijo meia cura ralado)

raspas de 2 limões

8 xícaras de pipoca pronta (vide instruções acima)

2 colheres de sopa de manteiga sem sal, derretida

2 colheres de sopa de coentro picado

pitada de pimenta cayena ou flocos de pimenta calabresa

Modo de Preparo:

Misture o queijo e as raspas de limão e reserve. Regue a pipoca quente com a manteiga derretida, mexendo vigorosamente. Polvilhe com o queijo e limão e finalize com a pimenta. Como o queijo já é salgado você não precisará de sal. Mas uma marguerita cai bem! 😉

E se a tua praia for pipoca doce, esta receita de Pipoca de Caramelo e Chocolate é perfeita para você!

"Por Um Mundo Mais Doce"

“Por Um Mundo Mais Doce”

Que a Força (para conseguir parar de comer!!!!!) Esteja com Você!

DIY Jardinagem [Transplante de Suculenta]

Uma planta que significa muito para mim!

Uma planta que significa muito para mim!

Hoje a receita é um pouco diferente. Não envolve comida. Mas envolve o mesmo amor que dispenso nas panelas. E envolve uma panela. Bem… Uma tigela!

Resolvi transplantar uma suculenta que tenho pois ela cresceu demais e já estava me incomodando ver a coitadinha apertada no seu antigo vasinho. Eu adoro plantas, mas não sei quase nada de jardinagem. E esta planta, em especial, é muito importante para mim. Ela já tem mais de 10 anos, a idade do meu filho. E ela nasceu com ele. Ela e muitas outras que eu espero estarem vivas e lindas, espalhadas por aí.

Quando o Pedrinho nasceu eu queria dar uma lembrancinha que fosse especial como ele. Que significasse a importância da chegada dele ao nosso mundo. Queria que as pessoas cuidassem da lembrancinha como eu cuidaria dele. Foi aí que me veio a ideia de dar um vasinho com uma mini suculenta. Na época fiz um cartãozinho contanto essa história e pedindo para que as pessoas cuidassem da plantinha e deixassem ela crescer dando-lhe amor, cuidados e um caminho para trilhar. Infelizmente, eu não guardei o cartãozinho – com tantas mudanças não sei o que fiz… – nem a plantinha. Mas encarreguei minha querida sogra de cuidá-la enquanto estivéssemos fora. Assim seria como se ela acompanhasse o crescimento do neto! E ela o fez e me devolveu a plantinha linda, enorme e saudável. Assim como eu o “devolvi” para ela!

Para este projeto eu tive que pedir ajuda ao santo Google que logo de cara me mostrou um blog que me apaixonei. O HomeSweetener é o blog da Erika e traz um montão de ideias de DIY (faça você mesmo) para decoração, arrumação e até umas receitinhas! E lá eu encontrei uma mini suculenta em uma caneca, muito fofinha!

Como o mundo estava girando a meu favor, na quarta-feira eu ganhei da querida Dani, do @doceoficina uma tigela que ela iria jogar no lixo pois estava rachada. Realmente, é um perigo usar louças rachadas na cozinha, mas jogar no lixo??? Aí, a acumuladora aqui, com cara de pidona, “sugeriu” que ela me desse pois algum destino mais ecológico eu daria para a peça. E não foi mesmo?

Bem, se você é como eu, meio devagar com estas coisinhas de faça você mesmo, deixo aqui um tutorial em fotos com o passo-a-passo do meu projeto.

Ah! E só para que saibam, foi tudo feito no chão da sala do apartamento já que não tenho varanda nem lavanderia para este tipo de projeto. E no fim, deu tudo certo e a minha plantinha ficou lindona!

Um projeto que adorei fazer! Mas a primeira providência foi forrar todo o chão para facilitar a limpeza no final.

Um projeto que adorei fazer! Mas a primeira providência foi forrar todo o chão para facilitar a limpeza no final.

A danadinha já estava pulando a cerca... Criou raízes e brotou no vaso vizinho!

A danadinha já estava pulando a cerca… Criou raízes e brotou no vaso vizinho!

Coloque pedriscos ou argila expandida no fundo do recipiente para facilitar a drenagem.

Coloque pedriscos ou argila expandida no fundo do recipiente para facilitar a drenagem.

Com muito cuidado para não danificar a raiz ou os brotos retire a planta do vaso virando cuidadosamente. Descobri esta "mantinha" no fundo que também ajuda bastante na drenagem e mantem a planta úmida.

Com muito cuidado, para não danificar a raiz ou os brotos, retire a planta do vaso virando-o cuidadosamente. Descobri esta “mantinha” no fundo que também ajuda bastante na drenagem e mantem a planta úmida. 

Posicione a planta centradamente no vaso e complete com terra, pressionando com cuidado. Eu usei uma mistura de terra e humus de minhoca.

Posicione a planta centralizada no vaso e complete com terra, pressionando com cuidado. Eu usei uma mistura de terra e humus de minhoca.

E o projeto pronto. Fiquei muito satisfeita! Talvez complete com aquelas pedrinhas de jardim para dar um acabamento. O que você acha?

E o projeto pronto. Fiquei muito satisfeita! Talvez coloque aquelas pedrinhas de jardim para dar um acabamento. O que você acha?

A nova suculenta já ocupando lugar de destaque na mesinha das plantas. :)

A nova suculenta já ocupando lugar de destaque na mesinha das plantas. 🙂

Eu gostei muito do resultado final. Para quem apenas regava os vasos, fiquei orgulhosa! E você, já transplantou alguma planta? Tem algum conselho? Deixe seu comentário para que eu possa melhorar meus projetos futuros porque agora ninguém me segura! 😉

DICAS:

  1. Se você também não tem o “dedo verde” as suculentas e cactos são as plantas ideais. Elas precisam de pouco cuidado, mas muito amor. Precisam, também, de sol e luz indireta;
  2. A rega é o segredo para ter plantas sempre bonitas e saudáveis. No verão, uma rega por semana é o suficiente. Já no inverno, regue no máximo duas vezes ao mês! Molhe apenas a terra, sem se aproximar do caule ou folhas;
  3. Utilize fertilizantes e adubos próprios para cactus e suculentas;
  4. A manta que estava no fundo do vaso original é uma manta geotextil, que pode ser comprada em floriculturas. Ela funciona como uma peneira e vai garantir que o substrato não seja levado com a água durante as regas.

 

Caminhos do Paraíba

 

Olá. A insônia me pegou e o jeito foi aproveitar o “tempo livre” para escrever um pouquinho aqui, já que minha vida está tomada 24/7. E vou contar o porquê!

Nas últimas duas semanas estive envolvida em muito projetos bacanas, eventos, jantares, piqueniques e estou me programando para uma viagem incrível para a AFRICA. Embarco em 9 dias. Além do mais neste fim de semana acontece a festa junina do colégio do meu filho, onde passam, aproximadamente, 10 mil pessoas e eu resolvi me voluntariar para coordenar a barraca do pernil. Quase não tem trabalho por fazer… #sqn

Para desconectar do mundo insano em que nos metemos “sem querer”, nada melhor que um dia no mato. Um piquenique em uma linda fazenda em Pindamonhangaba onde, nada mais nada menos que Alex Atala, helena Rizzo, Gabriel Broide, Ivan Ralston, Nelson Gonçalves Jr., Rafael Protti e Rodrigo Oliveira cozinharam um banquete servido em lindas cerâmicas do Studio Neves! E como fui parar aí?

O evento é uma idealização do C5 – Centro de Cultura Culinária Câmara Cascudo, uma associação sem fins lucrativos fundada por cozinheiros, acadêmicos, jornalistas e estudiosos da cozinha brasileira, que tem por objetivo congregar esforços para melhor se conhecer e difundir a culinária nacional. E o lugar escolhido não poderia ser mais especial! A Fazenda Nova Coruputuba é um dos símbolos centenários do Vale do Paraíba e é um oásis agroflorestal emmeio aos complexos industriais de aço, ferro, alumínio e plástico da região.

Desde a primeira edição o almoço preparado pelos cozinheiros busca divulgar e incorporar na prática gastronômica o trabalho agroecológico e os ingredientes  que produtores cultivam na região. Este ano o evento abrangeu a região serrana desde o Sul de Minas Gerais, a Serra da Mantiqueira, o baixo Vale do Paraíba, a Serra da Bocaina e a Serra do Mar. Foi um lindo encontro de diversidade na mesa e fora dela!

Estar ali me fez sentir o quão importante esta integração é para o ser humano. Gente do bem, comida do bem. Gente pé no chão que queria dividir o que de melhor sabem fazer: fazer o bem para nós pessoas e para a natureza!

Deixo aqui os melhores momentos do evento. E se você quiser fazer parte e ser feliz como eu, também, 🙂  acompanhe as notícias do C5! E se quiser saber mais sobre os pratos servidos deixe aqui seu comentário que terei um imenso prazer em conversar sobre isso!

Cam22

cam1Cam2

Cam13Cam23 Cam14 Cam 24Cam15 Cam16 Cam17 Cam18 Cam19 Cam20 Cam3 Cam4 Cam5 Cam6 Cam7 Cam9Cam10  Cam11 Cam12Cam25

Cam8Cam21