Com história, por favor!! [Tortinhas com Massa de Aveia e Azeite de Oliva]

Não há nada mais gratificante para uma escritora de um diário de receitas virtual (leia-se blog) que um seguidor elogiar suas fotos no Instagram e dizer que está ansioso pela receita!

Hoje em dia, receitas pipocam aos milhares na rede e muito raramente alguém vai até um blog de receitas atrás de uma. Ainda mais se o blog em questão tiver um monte de palavras – como este aqui, que contam uma história – antes da tão esperada receita. E eu sou assim. Uma contadora de histórias. Quando comecei o blog, minha intenção nunca foi passar receitas, mas contar meus “causos”. Achei que a receita seria uma isca! 😉 Muitas vezes, eu também recorro ao “Santo Google” para encontrar uma receita rapidinha ou uma dica no meio de um preparo.

No entanto, o que eu gosto mesmo, é de ler o que antecede a receita. Saber o porquê dela estar ali, conhecer a pessoa atrás da tela do computador apenas lendo as palavras que ela cuidadosamente escolheu para emoldurá-la! Adoro livros que trazem contos e pontos. Não só as receitas. Que se importam com que os ingredientes sejam os personagens de um romance ou uma aventura que acabará em um delicioso banquete e viverão felizes para sempre tendo cumprido o seu papel no mundo da alimentação…

O meu favorito é Yotam Ottolenghi. A cada receita, em todos os seus livros, lindas histórias de sua infância em Jerusalém, sua vida em Londres, me transportam para o Oriente Médio num lindo faz de conta gastronómico. Adoro também Fuchsia Dunlop e sua  capacidade de fazer da cozinha chinesa algo trivial e corriqueiro. Aqui no Brasil, quem representa muito bem este papel é a chef Carla Pernambuco. Seus livros, sempre recheados de histórias de cozinha, transformam qualquer receita numa viagem!

Mas voltando a receita de hoje… Agradeço muito a Deia Tomaz, que através de um singelo comentário no Instagram, fez esta postagem virar quase um romance! 😉

Tortinhas de Farinha Integral, Aveia e Azeite de Oliva (6 tortinhas de 10cm ø)

Com tampinha ou sem, essas tortinhas são deliciosas opções para um lanche

Com tampinha ou sem, essas tortinhas são deliciosas opções para um lanche

Ingredientes:

150g de farinha de trigo integral

50g de flocos finos de aveia

1 colher de chá de sal

2 ovos pequenos, ligeiramente batidos (aproximadamente 100g)

6 colheres de sopa de azeite de oliva (aproximadamente 90ml)

1 colher de sopa de água gelada

Os recheios podem ser do que tiver na geladeira.

Os recheios podem ser do que tiver na geladeira.

Modo de Preparo:

Misture todos os ingredientes secos em uma tigela. Em outro recipiente misture bem os ovos e o azeite. Coloque esta mistura na tigela dos ingredientes secos e comece a misturar até incorporar. Adicione aos poucos a água, se necessário. Dependendo da umidade da farinha toda a água será utilizada ou apenas um pouquinho. A massa deverá ficar macia e de fácil manuseio. Se estiver grudenta polvilhe um pouco de farinha só para atingir o ponto.

Massa muito fácil e deliciosa de se trabalhar

Massa muito fácil e deliciosa de se trabalhar

Divida a massa em 3 partes. 2/3 será utilizado para forrar o fundo das forminhas. Não precisa usar o rolo para abrir, pois esta massa fica bem maleável para abrir com as pontas dos dedos diretamente na forminha.

Recheie a gosto. Como a massa fica bem sequinha, em razão da farinha integral e aveia, sugiro um recheio mais úmido (Vide DICA 1).

Abra as tampas para as tortinhas bem fininhas e cubra os recheios apertando as laterais. Faça um corte ou um furinho na tampa para que o vapor que se forma com a umidade do recheio escape. Duas tortinhas eu deixei sem tampa. No total, fiz 4 tortinhas com tampa e 4 só o fundo, estilo quiche.

Pincele com gema de ovo e asse por 20 minutos, em forno pre aquecido a 180 graus, ou até que fiquem bem douradas, sequinhas e crocantes.

Tortinhas "PacMan" ;)

Tortinhas “PacMan” 😉

DICAS:

  1. Eu aproveitei que era sexta-feira e “limpei” a geladeira. Juntei um pouquinho de tudo e fiz três recheios diferentes:
    • carne moída com legumes e requeijão;
    • linguiça com vagem, no molho bechamel,
    • queijo de cabra, cebolas caramelizadas com tomilho
  2. Esta massa pode se transformar em deliciosos biscoitos crocantes. Abra a massa bem fininha e use um cortador para dar a forma desejada. Leve para assar por 10 a 15 minutos ou até estar crocante. Se quiser polvilhe parmesão, gergelim ou sal grosso antes de levar para assar.

Volta de Viagem e uma comidinha magra [Quinoa Cremosa com Cogumelos e Espinafre]

E a viagem de férias chegou ao fim… Quem me segue no Instagram acompanhou uma deliciosa e incrível viagem de carro pelos Estados Unidos. Foram mais de 2.000 quilômetros rodados, 5 estados visitados, quase 1.000 fotos, uma média de 40 refeições e 3,1 quilos a mais na balança. Esta é a parte ruim da história :/

Mas para tudo dá-se um jeito e mesmo eu, que amo comer e quase nunca faço dieta sei que exagerei. Porém não deixo o meu prazer glutão esmorecer. Mesmo a comidinha mais “light” pode ser deliciosa e com muito sabor.

Digo sempre que o principal numa refeição são os ingredientes. Se temos nas mãos poucos mas bons insumos tudo fica bem!

Foi assim o meu jantar de ontem: um punhado de quinoa, cogumelos fresquinhos que ganhei da vizinha e uma corridinha na quitanda da esquina para encontrar um maço ainda crocante de espinafre. O restante ficou por conta de uma despensa bem abastecida. Azeite de oliva de boa qualidade e um extrato de limão siciliano maravilhoso. O jantar está servido!

Quinoa Cremosa com Cogumelos e Espinafre (Serve 4)

Explosão de sabor e de nutrientes. Light e delicioso!

Explosão de sabor e de nutrientes. Light e delicioso!

Ingredientes:

1 xícara de quinoa (eu usei o mix de quinoas, pois como têm tempos de cocção diferentes, gosto muito da textura al dente da quinoa vermelha e da preta)

2 xícaras de caldo de legumes caseiro (ou água)

1 colher de chá de sal

2 colheres de sopa de azeite de oliva

4 dentes de alho

2 bandejas de cogumelos frescos, fatiados (eu usei shimeji branco e champignons)

1 maço de espinafres frescos

Raspas de limão siciliano e o suco de 1 limão

G-Bombs Food!

G-Bombs Food!

Modo de Preparo:

Lave sempre a quinoa antes de usar para retirar qualquer traço de saponina. Se você não sabe, vou te dizer: a saponina é uma substância produzida pela quinoa (e outros vegetais), que se caracteriza pela formação de espuma em contato com meio aquoso. Aquela espuminha chata que fica na superfície!

Em uma panela, coloque a quinoa, o caldo e o sal e leve para ferver. Assim que levantar fervura abaixe o fogo e tampe. Cozinhe por 15 a 20 minutos até o líquido for absorvido, como no arroz.

Em uma frigideira, aqueça o azeite e doure o alho sem deixar queimar. Acrescente os cogumelos e salteie por alguns minutos até que murchem. Adicione as folhas de espinafre e deixe que murchem porém sem ficarem escuras. O espinafre fica mais delicioso quando ainda está crocante!!! Acrescente o suco de limão siciliano.

Quem se apaixonaria por um punhado de espinafre?? <3

Quem se apaixonaria por um punhado de espinafre?? ❤

Assim que a quinoa estiver pronta coloque-a no prato de servir e, por cima, coloque a mistura de cogumelos e espinafre e regue com o molho que se formou na frigideira. Finalize com sal e pimenta do reino e raspas de limão.

DICAS:

  1. Consuma mais quinoa. As proteínas da quinoa são consideradas completas pois possuem todos os aminoácidos essenciais para a construção e manutenção do nosso corpo. Experimente substituir o arroz.
  2. Com rúcula este prato também fica delicioso, pois a picância da rúcula contrasta bem com o sabor marcante da quinoa.

Dia Nacional da Pizza [Dicas de Harmonização com Vinhos]

10 de Julho = Dia Nacional da Pizza!

Este, sim, é um dia a ser comemorado por aqui. Símbolo nacional, a pizza já virou piada, mas ainda é a iguaria nacional do fim de semana e para quem não sabe o Brasil é o 2o. maior consumidor da redonda no mundo!!! Só perdemos para os EUA. Bem… Por lá eles consomem a si mesmo!

E para uma celebração digna de banquete até porque, neste ano o dia 10 de Julho será um domingo, dia oficial da pizza, trouxe para vocês uma deliciosa dica que recebi da World Wine: os melhores vinhos para harmonizar com as pizzas mais tradicionais!

Então, mãos à obra. Programa-se para preparar a massa de pizza mais crocante que você já comeu (tem segredinho para isso!!) com esta receita ou a mais fácil, feita na frigideira, mas também muito deliciosa. Passe numa das lojas da World Wine, escolha seu vinho e celebre em grande estilo! Agora você já pode dar uma de “enochato”, mas com toda a propriedade e expertise! 😉

marguerita287099_616352_3d_fantini_montepulciano_022282_web_Pizza Marguerita: Opção italiana mais clássica tem sua combinação perfeita com vinhos tintos de médio corpo, com taninos macios e bom frescor. Um coringa nessa harmonização são os vinhos a partir da uva Montepulciano, como o delicioso Fantini.

 

calabresa287099_616353_021420_ampliada_web_

Pizza Calabresa: Normalmente é acompanhada por cebola e possui um sabor marcante e levemente picante, traços que podem ser encontrados em bons vinhos Carmenères, como o Armador elaborado, organicamente pela conhecida Viña Odfjell.

 

Rodrigo Carletti287099_616354_022218_garzon_albarino_web_Pizza Frango com Catupiry: Os dois ingredientes principais dessa pizza trazem sabores elegantes e leve untuosidade, que harmonizam perfeitamente com a elegância e o agradável frescor deste fantástico Albariño uruguaio.

 

atum287099_616357_023170___aime_roquesante_web_

Pizza de Atum: Prato de sabores leves e agradáveis notas defumadas, a pizza de atum combina perfeitamente com rosés, principalmente os produzidos na Provence, como o agradável e frutado Aimé Roquesante Rosé.

 

 

portuguesa287099_616356_022612_web_

Pizza Portuguesa: A mescla de queijo, ovo e presunto cozido dão à pizza Portuguesa bom peso ao prato, com sabores ricos e marcantes. A sugestão da World Wine é o Mariana Tinto, um blend da região do Alentejo, que revela agradáveis aromas de frutas maduras, que combina por também apresentar sabores ricos e marcantes.

 

toscana287099_616358_022071_web_Pizza Toscana: Para uma pizza batizada com o nome de uma das mais tradicionais regiões vinícolas do mundo, a sugestão não poderia vir de outro lugar. Como apresenta acidez, proveniente do molho de tomate e sabores levemente picantes da linguiça, a harmonização perfeita para equilibrar essa combinação é o Chianti orgânico feito pelas mãos de Alberto Antonini.

mussarela287099_616355_022563_web_Pizza de Muçarela: Para uma campeã de vendas nas pizzarias do Brasil, um vinho que retrata a elegância e frescor dos vinhos elaborados pela chilena Bisquertt. O corpo e maciez desse vinho é um ótimo casamento com o equilíbrio entre o molho de tomate e o queijo muçarela da pizza.

Serviço World Wine
Televendas
Capitais:
11 4003-9463
Demais localidades: 0800 880 9463

Lojas World Wine
Rua Padre João Manuel, 1269 – Jardins – Tel. 3085-3055
Rua Amauri, 255 – Itaim Bibi – Tel. 3168-1255

Ribeirão Preto
Rua João Penteado, 420 – Boulevard – Tel. 16 3931-6008

Rio de janeiro
Shopping Mall – 1º piso – Tel. 21 2422-4614
Bossa Nova Mall – Loja 1008B/Piso Terreo

www.worldwine.com.br

Alimentação Consciente [Mindfullness – Receita para a Vida]

Comecei a meditar. Precisava de um estímulo para seguir em frente sem pirar. Os braços já estavam curtos para segurar tudo aquilo que eu tinha assumido. Não sabia ao certo se, com a idade, este é um fenômeno ou se eu tinha assumido muito mais responsabilidade do que eu conseguiria dar conta. Na verdade, eu sabia. Só não conseguia aceitar…

Por isso fui parar numa sala de meditação. Mas nunca fui de acender incensos, nem de fazer ioga. O mundo lá fora está correndo muito rápido para eu desacelerar. Foi aí que descobri a técnica de Mindfulness. Em uma frase simples, esta técnica é ter “a capacidade de se lembrar”, é a ideia é de estarmos conscientes do que se passa no nosso corpo, na nossa mente, nos nossos pensamentos e nas nossas emoções. Ou seja, de nos lembrarmos de prestar atenção, a ter consciência de nós próprios. Atenção Plena, para sair do automático e estar presente em nossa totalidade numa situação seja ela boa, ou um caos.

Atenção Plena no Presente!

Atenção Plena no Presente!

E lendo muito sobre isto encontrei algumas matérias sobre alimentação consciente, no sentido de não simplesmente mastigarmos e nos nutrirmos. Mas saber o que aquele alimento gera em nós em termos de sentimentos conscientes.

Uma das matérias que li, muito interessante, foi destaque em um artigo do New York Times no ano passado, em que o jornalista Jeff Gordinier visitou um monastério budista, onde os praticantes foram incentivados a comer em silêncio, e mastigar cada pedaço de alimentos como explorando os seus sabores, texturas e cheiros nos mínimos detalhes. Mas comer consciente não tem que ser uma questão de tudo ou nada.

Na verdade, como o artigo de New York Times afirmou, há uma abundância de formas de trabalhar mindfulness em seus hábitos alimentares diários, sem a necessidade de se tornar um monge budista, ou mastigar uma uva passa por três dias seguidos.

Um estudo, por exemplo, acompanhou mais de 1.400 pessoas que praticaram mindful eating (alimentação consciente) e todos mostraram ter menor peso corporal, uma maior sensação de bem-estar, e menos sintomas de transtornos alimentares após a prática. Mas comer consciente só irá funcionar para você puder torná-lo compatível com o seu estilo de vida.

Aqui vão algumas dicas favoritas para introduzir mindfulness em suas refeições de uma forma fácil, acessível e sem ter que transcender a outro estado de espírito!

Coma mais devagar

Comer devagar não significa que você precisa ir ao extremo da mastigação. Ainda assim, é uma boa idéia para lembrar que a alimentação não é uma corrida. Dedicar tempo para saborear e apreciar a sua comida é uma das coisas mais saudáveis que você pode fazer. Por isso programe-se para fazer sua refeição. Dê o tempo necessário para ela. Neste ritual você estará mais propenso a perceber quando está satisfeito e mastigar os alimentos por um pouco mais de tempo ajudará significativamente a digeri-lo mais facilmente, e você provavelmente irá se surpreender com sabores que poderiam ter passado desabercebido. Se você tem filhos pequenos, por que não tentar fazer um jogo? Quem consegue mastigar os alimentos por mais tempo? Ou comer com hashi, pauzinhos japoneses, pode ser uma forma divertida de retardar as coisas.

Devagar e Sempre, porém focada no hoje!

Devagar e Sempre, porém focada no hoje!

Saboreie o silêncio

Comer em completo silêncio pode ser impossível para uma família com crianças, eu sei. Mas você ainda pode encorajar algum tempo de silêncio e reflexão. Mais uma vez, tente introduzir a idéia como um jogo – “vamos ver se podemos comer por dois minutos sem falar” – ou sugerindo que uma refeição por semana seja apreciado em relativo silêncio e depois todos os pensamentos que surgiram naquela refeição possam virar uma história. Se a hora da refeição da família é um momento muito importante para uma conversa, para falar do que aconteceu no dia, na escola ou no trabalho, considere a introdução dessa na sua hora do lanche ou num momento em que coma sem companhia.

Ainda que seja só uma xícara de chá...

Ainda que seja só uma xícara de chá…

Saborear seu chá ou café em completo silêncio quando ela está muito ocupado para uma refeição consciente completa, já vale uns minutos de meditação!

Silencie o telefone. Desligue a TV.

Acho que esta é a dica mais difícil hoje em dia, principalmente para muitos de nós que trabalha divulgando fotos de lugares e comida. Nossas vidas diárias são cheias de distrações e não é incomum comermos com a TV ligada ou um membro da família brincando com seu telefone. Considere fazer a hora da família em alguma refeição do dia. Aquele momento em que todos se sentam a mesa, sem eletrônicos, sem discussões ou confusão. Claro que os momentos de pizza em frente a TV vendo o jogo de futebol acontecerá. Mas a escolha da alimentação consciente deve ser uma regra, não a exceção.

Momento de Gratidão. Pratique!

Momento de Gratidão. Pratique!

Preste atenção ao sabor

O azedo de um limão, o picante da rúcula, o crocante de uma massa de pizza… prestar atenção aos detalhes de nossa alimentação pode ser uma ótima maneira de começar a comer conscientemente. Afinal, quando você come em movimento ou devora suas refeições em cinco minutos, pode ser difícil perceber o que você está mesmo comendo, e muito menos verdadeiramente saborear todas as diferentes sensações de comê-lo.  Você está, apenas, matando a fome. Se você está tentando introduzir alimentação consciente na sua vida, considere pensar mais sobre os sabores e texturas dos alimentos. Em casa, pergunte aos seus filhos qual o gosto do abacate ou como é a textura do brigadeiro na boca. Além da percepção gustativa com certeza o vocabulário a criançada terá um avanço!! 😉

Nosso cérebro é um catálogo de informações que precisamos ordenar

Nosso cérebro é um catálogo de informações que precisamos ordenar

Conheça o alimento

Mindful Eating é, realmente, uma técnica para reavivar o relacionamento com a nossa comida. Plantar uma horta, ou assar o seu próprio pão de fermento natural, ou ainda visitar o produtor local, são atos que nós, defensores do alimento justo e limpo fazemos há anos. Mas não são apenas maneiras de cortar o nosso foodprint de carbono. Temos, também, que nos conectar com a história por trás da nossa comida. Mesmo quando você não tem a mínima idéia de onde o alimento que você está comendo veio, tente questionar a si mesmo sobre: quem plantou isso? Como? De onde veio? Como chegou até aqui? Tenha certeza, você não só vai ter uma gratidão maior pelo alimento, mas também vai notar mudanças nos seus hábitos de compras e desperdícios.

Conheça as suas escolhas

Conheça as suas escolhas

Como eu disse, alimentação consciente não tem de ser um exercício de concentração de super-humano, mas sim um compromisso simples de apreciar, respeitar e, acima de tudo, desfrutar a comida que você come todos os dias. Pode ser praticado com salada ou um sorvete, brigadeiro ou tofu, e você pode praticar em casa, no trabalho, ou até mesmo quando come uma coxinha no caminho para a academia. Mas preste atenção. Coma com prazer. Com a consciência do que está fazendo.

E quando o foco se torna como você come e não o que você come, você perceberá que as coisas que você deseja comer mudarão dramaticamente. Para Melhor!

Você escolhe o alimento que ingere, mas ele determinará quem você é!

Você escolhe o alimento que ingere, mas ele determinará quem você é!

A Assertiva Mindfullness, empresa onde faço meu curso de meditação tem um workshop bastante interessante sobre o assunto para quem tiver mais interesse. E assim que eu for descobrindo novos textos bacanas posto aqui!

“Sorria, você está sendo” 🙂

A Maturidade de uma Receita #ColetivoGastronômico [Jalapeños Gratinados]

Eu me lembro que a primeira vez que vi um jalapeño recheado foi nos idos dos anos 90, quando morei nos Estados Unidos. Num domingo qualquer almoçando na Pizza Hut, chega uma bandeja de pimentas fumegantes, recheadas e ainda borbulhado, com muito queijo derretendo de dentro de uma capa de fritura empanada. Parecia o paraíso até colocar a primeira na boca. Até hoje consigo sentir o ardor da primeira vez. Aos 16 anos… Ah… sweet sixteen! hahaha

Mas na vida é importante que nos acostumemos. Até mesmo com as pimentas recheadas, pois elas apareceriam mais uma vez na minha vida. Desta vez, vinte anos depois, mais madura e experiente. A paixão e o fogo inicial se transformaram em amor duradouro e um calor reconfortante. Um pouco menos junk food, sem aquela capa de fritura, experimentei a receita de jalapeños gratinados que, apesar de ser uma invenção texmex os mexicanos souberam, muito bem, dar uma nova cara e roupagem a estas deliciosas pimentas.

Baseados na receita de chiles rellenos de las abuelas, as ardidas pimentinhas, deixaram de ter aquele apelo imaturo e frívolo de uma adolescente e ganharam mais requinte e sobriedade, assim como uma mulher madura e dona de si! 😉

Com ingredientes simples e nenhuma técnica esta receita é a prova perfeita de que menos é mais. De que o pretinho básico nunca sai de moda!

E foi por isso que a escolhi para o tema Petiscos, do #ColetivoGastronônico do mês. Ela faz jus e se encaixa perfeitamente nesta nossa nova fase, onde o importante é sermos o que somos, mas parar as arestas e deixar o excesso de lado é fundamental!

Jalapeños Gratinados (Serve 4)

Uma receita na maturidade da sua vida! ;)

Uma receita na maturidade da sua vida!

Ingredientes:

12 pimentas jalapeños ainda verdes

300gr de requeijão cremoso (pode ser cream cheese, creme de ricota, Catupiry)

1 xícara de bacon picadinho, frito e crocante

1 xícara de queijo cheddar ralado

1 colher de sopa de xarope de  maple ou mel (opcional)

Modo de Preparo:

Pre aqueça o forno a 200 graus. Forre uma assadeira com papel manteiga.

Corte os jalapeños ao meio no sentido do comprimento, com cuidado para formar “barquinhas”. Retire as sementes e as membranas e coloque-as na assadeira

Sem sementes, mais brando. Com sementes, ardente e fugaz.

Sem sementes, mais brando. Com sementes, ardente e fugaz.

Usando uma faca de manteiga ou um saco de confeiteiro recheie cada metade de jalapeño com o requeijão cremoso. Eu sempre tenho saco de confeitar descartáveis por aqui. São muito úteis e facilitam demais qualquer trabalho de recheio na cozinha.

Ajudante estrela, o saco de confeiteiro facilita na hora de rechear.

Ajudante estrela, o saco de confeiteiro facilita na hora de rechear.

Coloque o bacon sobre o requeijão e leve para o forno por 10 minutos até que as pimentas estejam tenras e o queijo bem cremoso e borbulhante.

Retire do forno e polvilhe com cheddar ralado. Volte ao forno por mais 5 minutos até que esteja gratinado. Você pode usar o grill nesta fase.

Regue com o maple ou mel, se estiver usando e sirva imediatamente. Eu adoro o contraste do cremoso com crocante, do picante com a doçura…

A receita perfeita: cremoso e crocante; picante e suave

A receita perfeita: cremoso e crocante; picante e suave

DICAS:

  1. Caso não encontre as pimentas jalapeños na feira ou nos mercados, já existe por aí uma pimenta chamada americana que é um pouco maior e menos picante. Se gostar do ardor, deixe as sementes. A pimenta cambuci também fica deliciosa.
  2. NÃO use aquele queijo tipo cheddar processado, em fatias. É bastante díficil encontrar o cheddar verdadeiro, eu sei. Mas um ótimo substituto é o queijo do Reino.
  3. Você pode deixar o maple/mel de fora. Mas assim como uma pitada de sal realça a doçura dos doces, o mel realçará a pungência da pimenta, mas ao mesmo tempo deixando o ardor de fora. Difícil explicar, por isso, experimente!

E para mais delícias assim veja o que o #ColetivoGastronômico preprou este mês:

coletivo

O que temos hoje, Elisa? – Arepa de Mandioca

Blog Gordices – Batata Bolinha Assada com Alecrim

Arte na Cozinha – Boneless Bufalo Wings

Cozinha da Gertrudes – Croquete de Mortadela

Na Cozinha da Carina – Dadinho de Tapioca com Geléia de Pimenta

Menu Criativo – Muffin de Calabresa e Queijo

Artes da Mel – Bolinho de Carne

Azeitonas Temperadas – Linguiça com Chutney de Frutas Secas

Pimenta na Cozinha – Rolinho de Salmão Defumado

Mosaico de Receitas – Guacamole